Uma semana após ser liberado, corpo de pernambucana morta na Nicarágua chega ao Recife

O corpo da estudante Raynéia Lima, pernambucana de 30 anos morta na Nicarágua no dia 23 de julho, chegou no início da madrugada desta sexta-feira (3) ao Aeroporto Internacional do Recife, na Zona Sul da capital. Uma semana após ter sido liberado pelo Instituto de Medicina Legal nicaraguense, o corpo foi recepcionado por parentes e representantes dos governos estadual e federal. O velório ocorre no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Região Metropolitana.

A aeronave que transportou o corpo de Raynéia deixou o Aeroporto Internacional Augusto César Sandino, em Manágua, capital da Nicarágua, às 14h30 (horário de Brasília) da quinta-feira (2), em direção ao Aeroporto Internacional Tocumen, no Panamá, antes de partir rumo ao Recife, onde chegou por volta de 0h40.

Logo após a chegada do corpo de Raynéia, a mãe dela, a aposentada Maria Costa, foi conduzida – junto com familiares; o secretário de Justiça e Direitos Humanos do estado, Pedro Eurico; e um representante do Ministério das Relações Exteriores – ao setor de cargas do aeroporto.

Maria Costa e familiares estavam muito emocionados. A solenidade de recepção do corpo, que havia sido planejada, não foi realizada.

Em seguida, por volta de 1h15, o corpo foi levado para o Cemitério Morada da Paz, no município de Paulista, no Grande Recife, para o velório, que começa às 8h. O sepultamento está previsto para ocorrer às 11h.

Segundo o secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, esforços conjuntos de Receita Federal, Polícia Federal e Ministério da Relações Exteriores ajudaram na liberação imediata do corpo. Mas ele criticou o tratamento que o governo federal deu ao caso.

“Entendemos a necessidade de o governo federal se engajar nessa questão. Não se engajou como deveria, pois ficou a cargo do governo de Pernambuco todos os custos, todos contatos, toda negociação”, afirmou.

Eurico espera agora participação ativa do governo federal no esclarecimento da morte de Raynéia. “Esperamos que que o ministro Aloysio Nunes (Relações Exteriores) dê sequência à representação que fizemos à Corte Inter-Americana, porque o que mais recebei (de questionamentos) aqui da família foi a cobrança para que esse crime não fique impune, não seja mais um crime político na América Latina que morre com o tempo. Nós queremos apuração. É uma estudante, uma pernambucana que foi barbaramente assassinada por um governo autoritário”, disse.

Gibson Rocha, professor e ex-cunhado disse a família vive um misto de consternação e revolta. “Sempre que acontece um crime tão brutal a gente fica sem palavras. Há muitas dúvidas de como se processou os últimos passos de Raynéia. Isso causa um mal-estar muito grande na família”, disse.

Entenda o caso

Raynéia Gabrielle Lima foi morta no sul de Manágua, onde cursava medicina, após ser atingida por tiros disparados por um grupo de paramilitares. No país desde 2013, a pernambucana se preparava para voltar ao Brasil em 2019, segundo a mãe.

Em 25 de julho, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco se dispôs a arcar com os custos do traslado e do funeral de Raynéia Lima. A secretaria informou que faria o pagamento apenas do embalsamamento, porque a Copa Airlines dispensou o pagamento e o sepultamento foi programado para ser realizado em um cemitério do Grande Recife, onde a família possui jazigo.

A aposentada Maria Costa junto com a filha, Rayneia Lima, que foi assassinada na Nicarágua (Foto: Acervo pessoal)

A aposentada Maria Costa junto com a filha, Rayneia Lima, que foi assassinada na Nicarágua (Foto: Acervo pessoal)

O governo de Pernambuco informou que solicitou ao governo federal que a Corte Interamericana de Direitos Humanos investigue o assassinato da jovem. Além de buscar esclarecimentos junto ao governo nicaraguense sobre o assassinato da pernambucana, o Itamaraty convocou a embaixadora da Nicarágua no Brasil, Lorena Martínez, a dar explicações ao Ministério das Relações Exteriores sobre a morte da estudante.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh) responsabilizaram o governo da Nicarágua por “assassinatos, execuções extrajudiciais, maus tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias”.

Reportagem TV Globo