Na Arari FM, Debate Geral estreia discutindo a crise no Polo Gesseiro

O jornalismo da Rádio Arari FM 90,3 estreou na manhã deste sábado (09), o programa Debate Geral, tendo como âncora o radilalista / jornalista Roberto Gonçalves, o homem do Araripina Urgente. O tema abordado foi a crise no Polo Gesseiro do Araripe e as consequências na economia regional.

O primeiro Debate Geral recebeu o empresário, ex-deputado estadual e vice-presidente do SINDUGESSO Eduardo Farias, o gerente regional da FIEPE no Araripe Josemberg Laurentino e o especialista em Finanças Empresariais, formado pela FGV – RJ Valdir Alencar. Ouça o programa na íntegra:

No próximo sábado (16), o assunto será segurança pública e os convidados são o comandante da 9ª CIPM major Edmar, a delegada da Polícia Civil de Araripina Dra. Katiana Muniz, e o repórter policial do programa Rota 903 Fredson Paiva. O programa vai ao ar todos os sábados das 8 as 9 da manhã.

Por Roberto Gonçalves/Blog do Roberto/Foto:RG

A vez dos oportunistas

O governo de Michel Temer está cada dia mais parecido com o de José Sarney (1985-1990): baixa credibilidade, suspeitas de corrupção envolvendo o presidente e auxiliares, pressão de empresários e de trabalhadores, ameaça de paralisação do País, e rejeição da figura do chefe do Executivo por parte dos candidatos à Presidência da República.

Sem falar nos recuos e nas idas e vindas. Sarney, com seus planos econômicos fracassados e suas tablitas de desconto de preços; Temer, com suas tabelas de frete e do preço do diesel. Lá, no governo Sarney, como cá, no de Temer, intervenções econômicas sem risco de dar certo, por desestabilizadoras de cadeias produtivas. Sarney era do MDB. Temer também é. Nos seus inícios, ambos os governos foram vistos como salvadores da Pátria. Nos finais, um deus nos acuda.

Nas condições de fragilidade em que se encontrava, Sarney pôde assistir ao fracasso da chapa Ulysses Guimarães/Waldir Pires na eleição de 1989, a primeira no período pós-redemocratização. Nas condições em que se encontra, Temer teve de desistir do sonho de se candidatar à reeleição. Henrique Meirelles, que herdou a chapa do MDB, segue lá embaixo nas pesquisas sobre intenção de votos, 1%.

Como não existe expectativa de que Meirelles venha a melhorar seus porcentuais, parlamentares do MDB não estão nem aí para o candidato, que largou o Ministério da Fazenda para tentar chegar ao Palácio do Planalto. Começam a sonhar com a vitória de Jair Bolsonaro, do PSL. E o raciocínio é simples: a candidatura de Bolsonaro já se consolidou. Como ele pertence a um partido pequeno que não fará bancada grande, caso venha a ser eleito, precisará do MDB, como todos os outros presidentes precisaram. Portanto, terá de compor com o partido e ceder vagas na Esplanada dos Ministérios a deputados e senadores emedebistas. Assim, continua a dominar setores do governo, como sempre dominou.

O MDB agiu assim na campanha de 1989 ao ignorar a candidatura de Ulysses Guimarães e apoiar a de Fernando Collor, que despontava como o favorito. Não terá dificuldades de agir do mesmo jeito de novo. Henrique Meirelles, que é novo no MDB, precisa aprender um pouco mais sobre o partido que escolheu para disputar a eleição. Isso vale para Bolsonaro ou para qualquer outro. Bolsonaro seduz mais porque, se eleito, ficará mais dependente, pois não há possibilidade de composição com os partidos de centro-esquerda.

Os emedebistas não estão sozinhos nesse plano. Outros partidos agem exatamente como eles. Aguardam o que vai acontecer na campanha, se algum candidato se destacará ou não, para depois declarar seu apoio a esse ou aquele.

Sociedade em demolição. A perda do controle da segurança pública pelo Estado, a formação de milícias com leis próprias, um governo fraco que mal se sustenta, a corrupção e tantos males atuais que tornam viável uma candidatura à Presidência baseada no messianismo evocam sintomas de uma sociedade em demolição.

O escritor inglês Christopher Isherwood (1904-1986) viveu em Berlim no fim dos anos 1920 e início dos anos 1930. No livro Adeus a Berlim, ele faz um relato o mais imparcial possível da sociedade berlinense da época e com a qual conviveu: residências que serviam de pensões baratas, onde alugava um quarto, as prostitutas, o desemprego em massa, as tensões raciais, os bares decadentes, a riqueza de uma família de judeus dona de uma rede de lojas de departamento, a violência que presenciou e a adesão ao nazismo cada vez maior dos jovens. Havia ali uma sociedade em demolição em busca de uma saída.

Um dos capítulos do livro, “Sally Bowles”, foi adaptado para o cinema por Bob Fosse no filme Cabaret, com Liza Minelli e Michael York.

João Domingos – O Estado de S.Paulo

Lula: “Sou não serei candidato se morrer ou o Judiciário rasgar a Constituição”

O ex-presidente Lula, cuja candidatura a presidente da República foi lançada na noite desta sexta-feira (8), em Contagem (MG), região metropolitana, disse ao ex-governador da Bahia, Jacques Wagner (PT), que o visitou na prisão, que só não será candidato se morrer ou se o Judiciário “rasgar a Constituição”.

Segundo Wagner, o PT não admite discutir “plano b” mas tem uma grande afinidade com o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que faz política desde a juventude.

“Nós (do PT) temos nosso candidato e em 15 de agosto estaremos inscrevendo Luiz Inácio Lula da Silva como nosso candidato a presidente da República”, disse o ex-governador da Bahia.

Já o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que também visitou Lula na prisão, criticou os institutos de pesquisa que começaram a excluir o nome de Lula dos seus levantamentos.

“Ele (Lula) é pré-candidato e vai ser oficializado. Qualquer pesquisa séria vai ter que considerá-lo. Estamos falando de um pré-candidato que tem normalmente o dobro de intenções de voto do segundo colocado”, disse ele.

Blog do Inaldo Sampaio 

Vai ter troco: Planalto ameaça PP por causa de Ciro

Diante do flerte do PP com Ciro Gomes (PDT), aliados de Michel Temer decidiram enviar um recado à sigla, que tem o comando de três grandes ministérios —Cidades, Saúde e Agricultura— e o da Caixa.

O candidato do PDT refere-se ao presidente como quadrilheiro e já previu a prisão dele. Trata o MDB como “partido de ladrão”.

Se o PP quiser embarcar na de Ciro, avisam integrantes do Planalto, deve fazê-lo sabendo que haverá problema e que poderá deixar de ser sócio do governo.  (Painel  Folha de S.Paulo)

Sob ameaça de debandada, Alckmin contra-ataca

Com o candidato pressionado e sob a ameaça de debandada de siglas que historicamente apoiam o PSDB, a campanha de Geraldo Alckmin vai lançar site para cadastrar eleitores dispostos a ajudar.

“Estamos diante das eleições mais difíceis e decisivas que já vivemos. Preencha o formulário abaixo e faça parte das mudanças que o Brasil precisa!”, diz o texto na página principal.

O nome dado à plataforma é literal: “Eu apoio Geraldo Alckmin”.

Ao entrar na página, além de informar nome, número de WhatsApp, a cidade e o estado em que vive, o colaborador é orientado a escolher como participar da campanha: eventos de rua, militância virtual e até doações. (Folha Painel)

Aproximação com Ciro encontra eco dentro do DEM

A aproximação de Ciro Gomes com o DEM encontra eco dentro do partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), que se apresenta como pré-candidato à Presidência. Maia, inclusive, vai lançar neste sábado, no Rio, seu programa de governo.

Integrantes do DEM consideram plausível um acordo com o PDT e trabalha ainda para testar a viabilidade de Josué Gomes (PR), filho do ex-presidente José Alencar. Apoiado por aliados do próprio Maia, o chefe do PR, Valdemar Costa Neto, encomendou uma pesquisa qualitativa para avaliar o nome do presidente da Coteminas. Se o empresário mineiro não for bem nas pesquisas, o DEM poderá apoiar Ciro Gomes (PDT) ou Geraldo Alckmin (PSDB).

O sepultamento da candidatura de Maia já está sendo preparado há dias. O anúncio da desistência, segundo aliados, deve ser feito na primeira semana de julho. Nos últimos dias, políticos especularam sobre uma possível aliança de Maia com Ciro.

— É exagerado dizer se há uma marcha do DEM em direção ao Ciro. Por enquanto, estamos com cautela. Precisamos de tempo para ver o que vai acontecer. Pode ser que o Ciro xingue alguém na rua ou que o Paulo Preto fale alguma coisa sobre Alckmin. Então, vamos esperar mais um pouco — diz o integrante da cúpula do DEM.

O levantamento do PR, focado em Josué, será feito em quatro estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. A partir do resultado, que será recebido no dia 21 de junho, as opções serão debatidas.

O DEM espera de Valdemar um “feedback coletivo” da pesquisa. Mesmo que o resultado indique pouca possibilidade de sucesso para o empresário ser o cabeça de chapa, a análise pode contribuir para que haja um diagnóstico sobre o empresário como vice.

Caso o DEM resolva fechar uma aliança com Ciro, PR e PRB teriam mais dificuldades para embarcar na aliança. Hoje, o partido do presidente da Câmara tem uma interlocução mais firme com PP, Solidariedade e o PRB.

A grande dificuldade de partidos de centro em relação a Alckmin é seu fraco desempenho em pesquisas eleitorais.

Oficialmente, Rodrigo Maia diz que não desistiu da candidatura. Mas, a aliados, afirma que já tem consciência de que não tem chance de ser o candidato.

Bruno Góes – O Globo

Parte de camarote desaba durante show de Xand Avião em Mossoró (RN)

Parte da estrutura de um camarote privado desabou na madrugada desta sexta-feira, 8, durante um show do cantor Xand Avião na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Segundo o Corpo de Bombeiros, 32 pessoas ficaram levemente feridas. O acidente ocorreu durante o primeiro dia do Mossoró Cidade Junina, tradicional evento da cidade e o maior do Estado, segundo a mídia local.

Imagens publicadas no YouTube mostram o centro do camarote afundado e algumas pessoas sendo levadas em maca para ambulâncias. Além do Corpo de Bombeiros, atuaram no atendimentos aos feridos o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a Comunidade de Saúde, informou a prefeitura de Mossoró em comunicado.

Na nota, o município disse lamentar o ocorrido e que “exigirá explicações da empresa sobre o acidente”. Os órgãos competentes também foram acionados para investigar as causas do desabamento. Segundo o major Queiroz, do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte, o camarote tinha capacidade para 980 pessoas, foi vistoriado e liberado pela corporação para uso antes do evento.

Ele destacou que não cabe aos bombeiros nem à prefeitura a competência legal pela estrutura e demais instalações da festa. Os bombeiros são responsáveis apenas pela vistoria de proteção contra incêndio, como extintores, sinalização e saídas de emergência, acessos e escadas. “Estamos em perícia, mas não podemos afirmar se houve superlotação ou se estava com a lotação prevista, mas, pela má qualidade do material, houve o desabamento”, afirmou o major.

A prefeitura reforçou que “não tem responsabilidade sobre a montagem e exploração do camarote privado, mas vai exigir da empresa responsável explicações e providências que garantam a segurança e evitem qualquer possibilidade de risco desta estrutura particular no evento”.

Ainda segundo o major do Corpo de Bombeiros, foi emitido um auto de interdição dos dois camarotes da empresa responsável pelas estruturas. Os locais foram isolados e não poderão ser acessados até que se faça um novo laudo que ateste a segurança dos espaços O acidente não vai comprometer os demais dias do evento.

Fonte: Estadão

Acusado de assassinar empresário do gesso em Araripina é preso em Minas Gerais

Policiais civis de Araripina lotados na 200ª Circunscrição da 24ª DESEC, juntamente com policiais civis de Minas Gerais, prenderam na noite da última quarta-feira 06/06, na cidade de Betim-MG, o foragido da justiça Antônio Oliveira Gomes, vulgo Tonhão de 42 anos.

Segundo a polícia civil informou ao Blog do Fredson, o preventivado Antônio Oliveira Gomes é acusado de assassinar a tiros o empresário do ramo gesseiro Francisco Ayrllon Pereira e Silva, de 29 anos, foto abaixo. O crime ocorreu no último dia 10/04, em uma propriedade do Sítio Lagoinha, zona rural de Araripina.

 

Dias atrás a polícia civil de Araripina, junto com policiais civis de Petrolina, prendeu a companheira do Tonhão na cidade de Petrolina, e segundo a polícia ela teve participação direta no assassinato de Ayrllon.

Veja também -> Outro empresário do Setor Gesseiro é assassinado a tiros em Araripina, no Sertão de PE

 

Blog do Fredson /Foto:Divulgação

 

Câmara continua a frente, com Marília e Armando empatados em segundo, diz Múltipla

No cenário que envolve os três principais nomes que disputam a preferência do eleitorado para as eleições deste ano, o governador Paulo Câmara tem vantagem, com 26% das intenções de voto, seguido por Marília Arraes (PT) e Armando Monteiro (PTB), empatados tecnicamente com 17% e 16,16%, respectivamente.

É o que indica a nova pesquisa do Instituto Múltipla divulgada nesta quinta-feira (07), contratada pelo próprio e registrada no TRE-PE e no Tribunal Superior Eleitoral, revelando que continua embolada a intenção de voto do eleitorado para as eleições deste ano. Em suma, todos oscilaram dentro da margem de erro, de 4,1%, comparando ao levantamento anterior.

O Instituto realizou 600 entrevistas entre os dias 02 e 06 de junho, em todas as regiões do Estado, seguindo a estratificação do IBGE. A pesquisa foi registrada sob os números PE 02707/2018 e BR 04235/2018.

Na pesquisa anterior, feita entre 27 de abril e 01 de maio, Paulo Câmara tinha 24% contra 21,5% da petista e 17,3% do petebista. A pesquisa é estimulada, ou seja, o entrevistador cita o nome dos candidatos e pergunta ao eleitor em quem ele votaria. Todos tiveram variação dentro da margem de erro.

No cenário 2, envolvendo todos os pré-candidatos, Paulo Câmara (PSB) tem 22,83%, Marília Arraes (PT) 15%, Armando 15%, Coronel Meira tem 3,5%, Júlio Lóssio, 2,16% e Daniele Portela, 1,16%. Brancos e nulos somam 31%. Indecisos, 6,83%. Não sabem ou não opinaram 2,5%.

Lula ainda pesa na disputa: o Múltipla fez mais dois cenários considerando os principais cabos eleitorais e mais uma vez, o ex-presidente Lula tem o maior peso. Quando Paulo Câmara é “colado” a ele, chega a 46% das intenções de voto. Marília Arraes vai a 41,66%.

A amostra foi composta por 600 entrevistas aplicadas na população que tenha título de eleitor, more e vote no estado de Pernambuco e distribuída da seguinte forma: Capital 18,0%, Região Metropolitana 24,2%, Zona da Mata 14,6%, Agreste 25,2% e Sertão 18,0%. O intervalo de confiança estimado é de 95% para uma margem de erro para mais ou para menos de 4,1%.

Sistema interno de controle e verificação: Para realização da pesquisa, utiliza-se uma equipe de entrevistadores e supervisores, contratados pelo Instituto. Todos devidamente treinados para execução do trabalho. Após a coleta das informações, 20% dos questionários aplicados foram submetidos à verificação de critérios, quanto a sua aplicação e adequação dos entrevistados ás variáveis das cotas amostrais. Veja dados técnicos:

Dados técnicos pesquisa PE 02707 2018 e BR 04235 2018

Municípios recebem hoje 3,4 bilhões do FPM

As prefeituras municipais de todo país recebem hoje a cota maior do Fundo de Participação dos Municípios, o FPM, recursos que são oriundos da arrecadação do Imposto de Produtos Industrializados (IPI) e Imposto de Renda (IR).

O repasse é chamado de 1º decêndio do mês, já que nos dias 20 e 30 serão repassados mais 40% de todo montante que será destinado aos menores entes da Federação.

A União Brasileira de Municípios (UBAM) informou que o repasse desta sexta-feira será de R$ 3.443.137.726,95, em valores líquidos, tendo já a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Segundo o presidente da entidade, Leo Santana, a UBAM está lutando junto a bancada municipalista no congresso nacional para que seja apreciada a proposta da entidade que acaba com os coeficientes 0.6 e 0.8 do FPM, proposta que beneficia a grande maioria dos municípios brasileiros, que recebem o insuficiente para garantir o repasse do duodécimo das câmaras municipais e pagamento dos servidores públicos, além do custeio da máquina administrativa.

Leo Santana destacou que mesmo com aumento de 36% nesse primeiro repasse de junho, as perdas ao longo dos 5 anos foi tão significativa que não permitirá ainda um equilíbrio fiscal, devido os reflexos nocivos da crise. Ele também lembrou que houve uma desaceleração na economia, o que poderá trazer prejuízos para os repasses posteriores, sendo necessário que os prefeitos usem de muita austeridade nos gastos e não façam compromissos para o segundo semestre.

O dirigente municipalista aconselha os gestores públicos municipais para que antecipem 50% do pagamento do Décimo Terceiro Salário dos servidores, para que possam ter mais folga no final do exercício de 2018, já que não há previsão de melhora na arrecadação.

“Com essa volatilidade da economia, é preciso aproveitar qualquer receita extra, e não se gastar desnecessariamente, pois o controle de despesas nesse momento será primordial para se garantir um final de ano melhor para as prefeituras, já que em anos anteriores os prefeitos ficaram com a mão na cabeça, sem poderem sequer pagar os salários de dezembro”. Ressaltou o presidente da UBAM.

Fonte:  Agência UBAM –