Mulher morre atropelada em Exú, no Sertão de Pernambuco

Uma mulher de 54 anos morreu atropelada por um carro, neste sábado (27), na PE-545, na Zona Urbana de Exu, no Sertão de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar (PM) o acidente foi provocado por um mecânico de 32 anos.
Do G1 Petrolina

Uma mulher de 54 anos morreu atropelada por um carro, neste sábado (27), na PE-545, na Zona Urbana de Exu, no Sertão de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar (PM) o acidente foi provocado por um mecânico de 32 anos.
Ainda segundo a PM, o mecânico não fugiu do local e apresentava sinais de embriaguez. O homem foi preso e encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil local, onde foi autuado em flagrante.

O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto de Medicina Legal (IML) de Petrolina, também no Sertão de Pernambuco.

Família de Santa Filomena que vinha de Salgueiro para Ouricuri sofre trágico acidente com vitimas fatais

Um trágico acidente ocorrido no sábado (27)  teve saldo de 3 mortos. Segundo as primeiras informações, o acidente aconteceu próximo a Salgueiro (PE), quando a família retornava daquele município para Ouricuri, na tragédia, o casal morreu na hora e posteriormente uma filha do casal, de 9 anos também não teria resistido e foi a óbito, uma outra criança de nome Eloá, 3 anos, sobreviveu ao acidente, por está em uma cadeirinha adequada para a viagem.

653d042e-96ad-46b3-94c7-621975edbd29

As vítimas fatais, foram Henrique André da Silva, 39 anos, funcionário do Banco do Nordeste, que trabalhava em Araripina e residia em Ouricuri, a esposa Juliana Macedo de Castro, 34 anos, natural de Santa Filomena, filha do senhor conhecido como Julio da Salgada e uma criança estavam em um Fiat Uno, prata, placas policiais PGH 6290 – Araripina PE.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente ocorreu no KM 458, a cerca de 50 quilômetros de Salgueiro. O carro de passeio, com placa de Araripina, onde seguia a família, colidiu de frente com uma caminhonete, com placa de Caruaru.

A PRF informou que pelas marcas de freio na via, a caminhonete teria invadido a pista contrária, causando a colisão. A PRF disse ainda que não há como precisar se a colisão ocorreu durante uma ultrapassagem e que somente a perícia do Instituto de Criminalística pode afirmar o que de fato ocorreu.

As duas crianças foram socorridas para o hospital de Salgueiro. A filha do casal, de 9 anos, não resistiu a gravidade dos ferimentos e morreu durante o atendimento médico. A outra vítima, de 3 anos, teve um corte na cabeça e o quadro de saúde é considerado estável. Segundo o Corpo de Bombeiros de Salgueiro, as duas crianças estavam nos assentos adequado para a idade.

O motorista da caminhonete fugiu do local sem prestar socorro as vítimas. Testemunhas que presenciaram a colisão, disseram a PRF que após o acidente, o homem saiu do carro com algumas escoriações e fugiu pela Caatinga. Dentro do veículo a Polícia Cientifica encontrou uma carteira de motorista, mas ainda não é possível afirmar quem estava conduzindo o carro no momento do acidente.

Os corpos das vítimas foram liberados na manhã do domingo e à tarde foram sepultados no cemitério de Ouricuri.

Homem de Pio IX morre após coluna de ferro cair sobre sua cabeça em construção de quadra poliesportiva em Massapê

Um acidente de trabalho vitimou um homem identificado por, Adão  Pereira  da Silva, de 38 anos,  na tarde de quinta-feira, 25,  enquanto trabalhava na construção de uma  quadra poliesportiva no município de Massapê do Piauí.

O funcionário  da empresa trabalhava na obra, quando o cabo de aço rompeu e a coluna de ferro caiu sobre sua cabeça, deixando-o preso entre a parede da construção e a coluna de ferro.

O homem teve morte imediata. Segundo informações Adão é da cidade de Pio IX (PI).

 3

2-1-1900x900_c

Após matar a mãe durante surto, filho perguntou à polícia se ela estava bem

O estudante Felipe Farina Garcia, suspeito de matar e esquartejar a mãe e de ferir duas vizinhas na Zona Sul de São Paulo, perguntou aos policiais que o interrogavam após o crime se a mãe estava bem. De acordo com a Polícia Civil, a pergunta foi feita mais de uma vez durante o depoimento e, toda vez que era respondida, o jovem começava a chorar.

A polícia afirmou que já ouviu todas as testemunhas do caso, com exceção das duas vítimas que sobreviveram ao ataque mas ainda estão internadas, e disse que não há duvidas sobre a autoria dos crimes. Segundo o 43º Distrito Policial, em Cidade Ademar, responsável pela investigação, tudo indica que Felipe teve um surto psicótico com alucinações.

Umas das testemunhas ouvidas, filha de uma das vizinhas atacadas, contou que não conseguia entender o episódio, já que convivia com Felipe desde que nasceu. Ela se referiu ao estudante como um “irmão de criação”. O jovem alegou à polícia que se lembra apenas de alguns poucos flashes do que aconteceu na manhã da terça-feira (23).

Felipe recobrou a consciência durante o interrogatório e relatou que fumou maconha no dia do surto. A investigação não crê que o uso da droga tenha alguma relação com ocorrido, já que a erva se caracteriza por produzir comportamento justamente contrário ao que o estudante apresentou. Ele nega que tenha feito uso de algum outro tipo de entorpecente.  

As vizinhas que ficaram feridas, Márcia Cristina Gonçalves de Oliveira e Luiza Cristina Borges, estão internadas nos hospitais Pedreira e São Paulo, respectivamente. De acordo com a polícia, ambas estão estáveis e já não correm risco de morte.

O executivo de negócios Phillipe Batista, sobrinho de Márcia, disse que a tia sofreu traumatismo cranino e diversos cortes pelo corpo, entre eles um que rompeu um tendão do pé. “Se não tivesse com bota de couro tinha arrancado o pé dela fora também.” Segundo a Polícia Civil, Felipe amputou um dos pés da mãe e ainda tentou, sem sucesso, cortar o outro.

Batista contou que conversou com um familiar da outra vítima, Luíza, e foi informado por ele de que a mulher ficou cega de um dos olhos e pode ficar com sequelas por conta dos ferimentos. Ela precisou passar por uma cirurgia de emergência devido a uma lesão na cabeça.

Crime
O estudante Felipe Farina Garcia, de 25 anos, foi preso suspeito de matar a facadas a mãe, Suely Guerra Farina, de 59, e ferir duas vizinhas no condomínio em que morava na Vila Inglesa, Zona Sul de São Paulo, na terça.

Segundo o relato de testemunhas à Polícia Civil, o jovem andava paranoico com questões religiosas e se dizia Jesus Cristo. No apartamento dele, policiais militares encontraram um pequeno cultivo de maconha.

O crime aconteceu por volta das 9h, na Rua Vicente Pereira de Assunção, uma travessa da Avenida Yervant Kissajikian. De acordo com os depoimentos dos vizinhos colhidos pela polícia, Suely e o filho viviam sozinhos e tinham um histórico recente de brigas, desde que o estudante passou a demostrar um fanatismo religioso.

Nesta terça, após uma discussão que começou a partir de questões espirituais, Felipe atacou a mãe com uma faca. Suely ainda conseguiu sair do apartamento e, aos gritos, correu em direção às escadas, mas o filho, que dizia que ela estava possuída, a alcançou dois andares abaixo.

Vizinhas
Três vizinhas ouviram o desespero de Suely e saíram de suas casas para ajudá-la. Em vão, segundo a polícia. O estudante esfaqueou a mãe na frente das vizinhas. Duas delas, que tentaram intervir, também foram atingidas com golpes de faca. A terceira conseguiu fugir e se trancou em um dos cômodos de seu apartamento.

Outros vizinhos ouviram a confusão e chamaram a Polícia Militar (PM). Segundo o boletim de ocorrência registrado no 43º DP, Felipe permaneceu nas escadas do edifício depois dos crimes e foi detido lá mesmo pelos policiais. O jovem teria resistido à prisão e entrado em luta corporal com os PMs.

Interrogado na delegacia, o estudante não soube explicar o motivo do ataque. Segundo a polícia, ele alegou que não se lembrava de nada do que acabara de acontecer. Suely não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local do crime. As duas vizinhas também atingidas foram socorridas e encaminhadas a hospitais da região.

Felipe foi autuado em flagrante por homicídio e pela tentativa dos outros dois assassinatos. O estudante também vai responder pelo crime de tráfico, já que a PM apreendeu vasos com pés de maconha com o equivalente a 102 gramas da droga no quarto dele.

O estudante Marco Hasckel foi colega de classe de Felipe na universidade e contou que ele era um rapaz inteligente e estudioso, mas que “andava estranho ultimamente”. “Perdemos um pouco o contato da faculdade, mas de vez em quando encontrava com ele correndo pelo bairro. Tava meio apegado com esse negócio de Igreja, achando que todo mundo era pecador. Uns amigos dele mais próximos falaram que ele dizia ser Jesus”, afirmou. (Do G1 / Petrolina)

Brigas políticas no Piauí já deixaram um morto e pelo menos seis feridos

Período eleitoral no Piauí é uma época em que muitos eleitores fazem de tudo para defenderem um candidato. As tradicionais conversas em bares e na porta de casa podem virar verdadeiras confusões quando há atrito de opiniões ou dois lados resolvem discutir quem é melhor que o outro. Tem cidade que o simples fato de usar uma roupa que seja da mesma cor usada na campanha de uma dversário, já é motivo de confusão. Pior ainda é quando na mesma casa alguém não resolve seguir o mesmo grupo político da família. Já houve casos até de expulsão.

Quando as brigas políticas não passam da barreira das discussões e debates, não há com o que se preocupar. O problema é quando partem para as agressões físicas, ameaças e até assassinato. No Piauí já há uma série de casos em que os posicionamentos políticos partiram para lesões corporais graves e até morte.

Confira a seguir os principais casos selecionado pelo 180 que aconteceram no período eleitoral deste ano:

CASOS DE FAMÍLIA
Antes mesmo das convenções, as disputas eleitorais já estavam desenhadas em muitos municípios e as primeiras brigas também. Em abril, na cidade de Miguel Leão, a ex-vereadora Jaqueleide acusou o próprio irmão, Jaílson, que é vice-prefeito, de tê-la espancado por divergências políticas. Jaílson chegou a prestar depoimento na Delegacia da Mulher e negou a agressão, mas confirmou a discussão.

agres (2).png

AGRESSÕES ENTRE CANDIDATOS

Que a disputa política entre o prefeito de Curimatá Reidan Kléber e o ex-prefeito Valdecir Júnior é acirrada, todos daquela região já sabem. No mês de junho os dois teriam se agredido fisicamente após uma discussão. Eles teriam saído aos tapas durante a festa de vaqueja em Parnaguá, município vizinho. Durante as agressões o prefeito Reidan Kléber teria saído com a camisa rasgada e o ex-prefeito Valdecir Júnior teria se ferido e teria sido levado ao hospital. Os dois se enfrentam na disputa pela Prefeitura.

VEJA A MATÉRIA DO CASO

page.jpg

BRIGA ENTRE AMIGOS TERMINA EM MORTE

No dia 6 de agosto, na cidade de Batalha, um homem identificado como Geraldo teria atropelado com um carro, um jovem identificado como Lucídio, que seria seu amigo. Populares informaram que os dois estavam falando sobre política quando houve o desentendimento. Lucídio saiu de motocicleta e o motorista o acompanhou, conseguindo atingi-lo logo em seguida. Com o impacto, a vitima foi lançada por vários metros, vindo a óbito no local pela gravidade dos ferimentos. Já veículo caiu na cavidade do pontilhão e o motorista ficou gravemente ferido, sendo levado às pressas para Teresina.

agres (9).jpg

DUPLA TENTATIVA DE HOMICÍDIO

O radialista Jhony Batista, que é correspondente do 180graus em Guaribas, e sua esposa Edina Santos, foram baleados na manhã do dia 9 de agosto. O crime teria motivação política e os suspeitos estão sendo procurados pela polícia. O prefeito Claudinê Matias, para quem Jhony trabalhava como assessor, afirmou que o crime teve sim motivação política e atribuiu autoria ao grupo adversário, comandado pelo seu tio que é ex-prefeito. As vítimas foram abordadas próximo o local onde Jhony trabalhava. Os atiradores estavam em uma motocicleta, e com os rostos cobertos. O radialista foi alvejado no ombro e nas costelas, e Edina foi atingida com tiros no peito e nos braços.

page2.jpg

FOI FAZER CAMPANHA E FOI ESFAQUEADO

O vigilante identificado como Augusto César, 42 anos, foi esfaqueado no último sábado (20/08) no município de Boa Hora antes de uma concentração política do atual prefeito e candidato a reeleição Zé Rezende (PT). Segundo informações de testemunhas, o suspeito de ter desferido os golpes de faca, que é simpatizante do candidato da oposição, teria iniciado uma discussão com o vigilante, resultando no crime.

page3.jpg

AGRESSÃO NA CÂMARA DE VEREADORES

O caso mais recente aconteceu no município de Barra D’Alcântara. Um homem identificado como Fransualves acusa o presidente da Câmara, Doninho, que é candidato a vice-prefeito do município, de tê-lo agredido após uma sessão que terminou em discussão política. O homem, que tem deficiência visual em um dos olhos, diz que a agressão aconteceu nas dependências da Câmara. Ele registrou boletim de ocorrência e fez exame de corpo e delito em Teresina. (Do 180)

Secretário apresenta redução nos números de acidentes de moto em PE

O secretário estadual de Saúde, Iran Costa, apresentou, na manhã de hoje, durante reunião do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), em Brasília, o cenário dos acidentes de moto em Pernambuco e as ações bem sucedidas do Governo do Estado, que possibilitaram uma redução de 12,3% nos óbitos em 2015. Apesar da queda nos números, os acidentes ainda têm um impacto financeiro e social alarmante em todo o País – que exigem ações efetivas e coordenadas, reunindo municípios, Estados e Governo Federal.

De acordo com o secretário, em 2015, 32.881 condutores de motos se envolveram em acidentes de trânsito (5,5% a menos que 2014, quando foram registrados 34.794) e 719 vieram a óbito (uma redução de 12,3% em relação a 2014, que apresentou 820 registros). Já a taxa de óbitos de acidentes de moto por 100 mil habitantes também apresentou queda, saindo de 8,8, em 2014, para 7,7 em 2015, um recuo de 12,9%.

Policiais da 2ª CIPM fecham mais uma “Boca de Fumo” em Cabrobó, PE

No final da tarde de quarta-feira dia (24), por volta das 17:30, após levantamentos realizados por Policiais Militares das equipes Malhas da Lei e NIS-3 em conjunto com  a equipe ROCAM da 2ª CIPM, foi montada uma operação para cumprir um mandado de busca que culminou em mais uma “Boca de Fumo” fechada na cidade de Cabrobó, no Sertão de Pernambuco.
Os policiais se deslocaram para a rua Sebastião Lourenço, nº 66, no bairro Pedro Quirino onde estava funcionando um ponto de venda de drogas, e ao realizarem buscas na residência localizaram as pessoas de Heleno Gomes da Hora, e Águida Gomes da silva, sendo encontrado juntamente com os imputados os seguintes materiais: 32 (trinta e duas) pedras de crack pesando 7,8 gramas; 2 (duas) porções de maconha pesando aproximadamente 69 gramas; 1 (uma) peteca de cocaína pesando aproximadamente 2,2 gramas; 2 (duas) balanças de precisão; 321,00 (trezentos e vinte e um reais) provenientes do tráfico de drogas e 10 (dez) Pen Drives.
Todo material apreendido juntamente com os acusados foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil local onde Heleno Gomes da Hora foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e encaminhado a Cadeia Pública local, já Águida Gomes da silva responderá processo por portaria. 

Caminhão carregado de livros pega fogo próximo a Araripina, PE

Um caminhão carregado com livros pegou fogo no final da tarde de  terça-feira (23), na Br-316, próximo a Araripina, no Sertão de Pernambuco. Segundo informações de testemunhas, a pista tinha livros escolares por toda parte, em mais ou menos 5 km de pista. O carro, segundo as testemunhas, trafegava em chamas pela via fazendo zig-zag.
O Corpo de Bombeiros foi acionado e tentava controlar o foco de incêndio. Não há informações sobre o que causou o fogo ou sobre vítimas. (Fonte: Wanderley Alves/ Foto:Ilustrativa)

Após pedir “nudes” de adolescente, homem é preso suspeito de pedofilia no Piauí

Um homem de 27 anos foi preso ontem terça-feira (23), em Parnaíba (PI), suspeito de tentar aliciar uma adolescente de 12 anos. Além da prisão, foi cumprido um mandado e busca e apreensão na casa do suspeito, onde foi apreendido o celular utilizado para a troca de mensagens com a vítima. Segundo a Polícia Civil, o preso fez vários pedidos de “nudes” para a menina.

O delegado Paulo Coelho, da delegacia de Luis Correia, que gerencia a investigação, afirmou que o caso foi denunciado e que a prisão foi requisitada para facilitar a coleta de provas, já que o suspeito enviou “nudes” para adolescente e pedia que ela também fizesse o mesmo.

“Recebemos uma denúncia, conseguimos ter acesso a algumas conversas e a partir disso desgravamos áudios e conversas. Fizemos o monitoramento dele para saber quem era a pessoa e saber se a intenção de contato com a adolescente era de fato real”, relatou o delegado.

Tanto o mandado de busca e o mandado de prisão temporária foram cumpridos nesta terça-feira. Os policiais chegaram à casa do suspeito por volta das 6h e o homem se negou a abrir a porta dizendo que era outra pessoa.

“Chegamos nas primeiras horas da manhã e ele não queria nos deixar entrar. Depois de um tempo, ele nos deixou entrar e negou que era quem procurávamos, mas a polícia já o conhecia por imagem. Quando perguntando pelo celular, ele disse que tinha perdido o aparelho, mas acabamos achando em cima do telhado da casa. Depois, ele confessou que teve essas conversa, mas negou o caráter sexual e disse ainda que não sabia que a jovem era adolescente”, disse o delegado Paulo Coelho.

O celular apreendido será periciado e o caso do suspeito vai para audiência de custódia, que vai decidir se ele fica preso pelos 30 dias da prisão temporária, ou se será liberado. (Do G1 Piauí)

Ex-policial civil de SP que vendia escutas telefônicas para a facção criminosa PCC é morto

O ex-policial Jurandir Tiago da Silva, 44 anos, demitido da Polícia Civil de São Paulo por vender cópias de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça para membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), foi morto a tiros na noite desta sexta-feira (19), na Vila Curuça, região de São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo.

Demitido da Polícia Civil em 18 de setembro de 2008, “a bem do serviço público”, Jurandir Silva estava em um Ford Fiesta quando, por volta das 23h, chegava em casa e foi atingido pelos tiros.

Atualmente, o ex-policial civil era estudante de Direito e recorria, em liberdade, de uma condenação de 12 anos de prisão pelo sequestro de um empresário, que ficou 29 dias em cativeiro, entre julho e agosto de 2011, em Itaquaquecetuba (Grande São Paulo).

Em maio de 2011, o então policial civil Jurandir Silva, do 41º DP (Parque São Lucas), foi apontado pela advogada Maria Odette de Moraes Haddad, à época defensora de presos como Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, e Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, como responsável por vender cópias de escutas telefônicas contra alguns de seus clientes, todos eles ligados ao grupo criminoso PCC.

Em um vídeo gravado dentro da Delegacia de Suzano (Grande São Paulo), a advogada afirmou a um grupo de policiais que sabia da existência de escutas telefônicas contra Gegê do Mangue e sua mulher porque havia comprado do policial Silva fitas cassete com as cópias de conversas telefônicas de seu cliente, que, mesmo preso, usava celular para fazer articulações.

O vídeo captado na Delegacia de Suzano foi gravado pelo também policial civil Augusto Peña. Ele e outros dois policiais civis eram os responsáveis pela investigação que requisitou à Justiça os grampos telefônicos contra Gegê do Mangue.

Durante aproximadamente 45 minutos, a advogada e Peña falam sobre os grampos telefônicos e sobre Jurandir Silva. No fim do vídeo, Peña diz para Maria Odette de Moraes Haddad que sabia da relação dela com o policial Jurandir.

Foi nesse momento que a advogada resolveu entregar as fitas compradas de Jurandir Silva e entrega-las para Peña. A advogada diz no vídeo que passaria a ficar na mira do PCC por dois motivos: seria suspeita de ligação com o policial Jurandir e também que os membros do PCC poderiam suspeitar que ela comprava as fitas com os grampos telefônicos por valores menores do que os informados à facção criminosa.

Jurandir Silva era considerado pelo Ministério Público Estadual como uma das principais testemunhas do sequestro cometido por Peña contra Rodrigo Olivatto de Morais, enteado de Marcola, do PCC.

Em abril de 2008, Peña foi preso por ter exigido R$ 300 mil para não prender Rodrigo Olivatto. O resgate foi pago, segundo a Promotoria, por membros do PCC.

Além de Peña, outro policial civil, José Roberto de Araújo, à época do Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado), e Carlos Roberto dos Santos, “ganso” (informante, na gíria policial) foram presos pelo seqüestro de Rodrigo Olivatto, filho de Ana Maria Olivatto Herbas Camacho, 45, advogada e ex-mulher de Marcola, assassinada em outubro de 2002.

O ganso Santos, de acordo com a Promotoria, foi o responsável por repassar informações de Rodrigo Olivatto para que os dois policiais civis conseguissem mantê-lo em cativeiro (na Delegacia de Suzano) por aproximadamente 48 horas.

 Crimes de maio de 2006

Em abril de 2006, integrantes do PCC armaram um ataque contra a delegacia de Suzano porque, segundo apuração do Ministério Público, Peña não teria cumprido um acordo com membros do grupo criminoso para libertar Gilmar de Holanda Lisboa, o Pebinha, acusado de ser traficante em Diadema (ABC).

Como os criminosos teriam pago R$ 40 mil para Pebinha não ficar preso em Suzano, o PCC resolveu atacar a delegacia da cidade. Sete pessoas morreram em 7 de abril. Quatro delas supostamente eram do PCC, dois eram policiais e um era amigo dos investigadores.

Pouco mais de um mês após esse episódio, o PCC começou os ataques em massa contra as forças de segurança do Estado.

Era 12 de maio quando Marcola, na sala do então diretor do Deic Godofredo Bittencourt, disse que parte da violência que o Estado enfrentaria se devia às atitudes de policiais como Peña.

Somente depois se soube o que o presidiário Marcola quis dizer. Entre 12 e 20 de maio de 2006, 564 pessoas foram pessoas foram mortas durante a maior crise na segurança pública enfrentada pelo Estado de São Paulo. Durante os chamados “Crimes de Maio”, foram 505 civis e 59 agentes de segurança pública (policiais civis e militares, guardas municipais e agentes penitenciários mortos).

Advogada condenada

Em março de 2009, a advogada Maria Odete de Moraes Haddad foi presa sob suspeita de associação para o tráfico e formação de quadrilha e acabou condenada, em novembro de 2010, a sete anos e seis meses de prisão.

De acordo com o Ministério Público Estadual, Maria Odete integrava a organização criminosa comandada pelo sequestrador Wanderson Nilton Paula Lima, o Andinho, ex-membro do PCC.

Escutas telefônicas apontaram que Maria Odete havia recebido a missão de descobrir o endereço de uma jornalista da RAC (Rede de Comunicação Anhanguera) para que os integrantes da quadrilha a matassem.

O motivo do atentado foi o descontentamento com uma reportagem que a jornalista fez para o jornal “Correio Popular” sobre o casamento de Andinho. Nela, a jornalista fez um perfil de Andinho desde a infância e isso causou sua fúria.

Dois meses antes da prisão de Maria Odete, criminosos ligados a Andinho jogaram duas granadas _nenhuma delas explodiu_ contra a sede da Rede Anhanguera, em Campinas (interior de SP). (Fonte: R7 / Foto:Divulgação)