Campanha de Eduardo Campos recebeu R$ 20 milhões ilegalmente, diz PF

A Polícia Federal concluiu o inquérito 4005 do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito Operação Lava Jato, e apontou que a campanha do ex-governador Eduardo Campos (PSB) à reeleição, em 2010, recebeu R$ 20 milhões ilegalmente. De acordo com a PF, o dinheiro teve origem em recursos desviados de contratos celebrados pela Petrobras com três empreiteiras responsáveis pela execução de obras da Refinaria de Abreu e Lima. A investigação foi encerrada nessa segunda-feira (8) e a polícia confirmou as informações em nota divulgada nesta quarta (10), dia em que Eduardo completaria 51 anos se estivesse vivo.

A investigação mostrou que o desvio foi através do então Secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco e Presidente do Complexo Industrial Portuário de Suape, o agora senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), como a Coluna Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo e publicada no Jornal do Commercio, apontou mais cedo.

Segundo a PF, os repasses era feitos através de doações eleitorais “oficiosas”, pagamentos em espécie e contratos fraudulentos ou superfaturados com empresas de fachada ligadas aos envolvidos no esquema. Sem divulgar nomes, a Polícia Federal afirmou na nota que “foram identificados elementos suficientes para apontar a materialidade e autoria dos crimes de corrupção passiva qualificada, lavagem de dinheiro e organização criminosa de três pessoas: um senador, um empresário e ex-presidente da Companhia Pernambucana de Gás e de um empresário recentemente preso na Operação Turbulência.”

O inquérito foi instaurado para apurar o envolvimento de pessoas com prerrogativa de foro em crimes de corrupção e desvio de recursos ocorridos na Diretoria de Abastecimento da Petrobras. Materiais obtidos na investigação foram compartilhados com a Polícia Federal em Pernambuco para a apuração da Operação Turbulência.

Mais cedo, antes da divulgação da nota pela PF, a assessoria de imprensa de Fernando Bezerra Coelho havia divulgado nota de resposta a uma matéria do Estado de S. Paulo adiantando a acusação contra o senador. O texto dizia que elementos colhidos “demonstram que não houve prática ilícita” e que a defesa do parlamentar não teve acesso à manifestação da Polícia Federal. “Esclarece que, no processo penal, a conclusão do Inquérito é apenas um registro administrativo da polícia, sem nenhuma verdadeira consequência processual”, diz ainda a nota.

Mais cedo, antes da divulgação da nota pela PF, a assessoria de imprensa de Fernando Bezerra Coelho havia divulgado nota de resposta a uma matéria do Estado de S. Paulo adiantando a acusação contra o senador. O texto dizia que elementos colhidos “demonstram que não houve prática ilícita” e que a defesa do parlamentar não teve acesso à manifestação da Polícia Federal. “Esclarece que, no processo penal, a conclusão do Inquérito é apenas um registro administrativo da polícia, sem nenhuma verdadeira consequência processual”, diz ainda a nota.

 

(Do Blog do Jamildo )

SEM APOIO POLÍTICO PARA SER CANDIDATO A PREFEITO DE ARARIPINA, PORTNALLI RECUA E REGISTRA CANDIDATURA PARA VEREADOR APOIADO POR RAIMUNDO PIMENTEL

As últimas semanas foram de importantes decisões para Portnalli – presidente do Partido Ecológico Nacional (PEN51). Depois de não conseguir apoio político suficiente para viabilizar sua candidatura a prefeito de Araripina, passou a identificar nos outros candidatos as semelhanças nos projetos dentro dos planos de governos que efetivamente promova a sustentabilidade na gestão pública de Araripina.

Através de diálogos constantes com familiares, amigos, partidários e alguns políticos respeitados em Araripina que articularam uma aproximação com o grupo político do candidato a prefeito Raimundo Pimentel (PSL), finalmente o Partido Ecológico coliga com o PRTB, PT e PRP na proporcional para vereador e com Raimundo Pimentel e Bringel Filho para prefeito e vice.

Na conversa final, Raimundo Pimentel firmou compromisso de junto com as idéias do Partido Ecológico, promover uma gestão pública sustentável em Araripina caso a maioria da população entenda que o seu projeto é o melhor para o desenvolvimento justo da cidade a partir de 2017.

Depois de ter participado da convenção que homologou a candidatura de Pimentel para prefeito, Portnalli afirma que foi muito bem recebido pelos membros do seu novo grupo político principalmente pelas características descentralizadoras percebidas logo no inicio de sua chegada.

“não trago mágoa no coração, nem sentimentos negativos, mesmo nos momentos difíceis, o que importa é tirar as boas experiências. Estou pronto para ser uma ferramenta da vontade do povo para promover justiça e igualdade através do esporte e cultura, e principalmente sempre respeitando o meio ambiente em harmonia com a natureza”. Finalizou Portnalli.

Luciano Capitão informa, não foi protocolado pedido de impeachment até o momento

Luciano Capitão informa, não foi protocolado pedido de impeachment até o momento

Nesta terça-feira as 9 da manhã o pedido não havia chegado na secretaria da Câmara de Vereadores de Araripina Pernambuco, e o Presidente da Câmara de Vereadores esclarece o fluxo em nota abaixo:

Esclarecendo as informações sobre o impeachment, o atual Presidente, Luciano Capitão, sobre o pedido do Vereador Evilásio Mateus, foi de apenas unir a comissão de Constituição de Justiça e Redação para decidir o rito para um futuro pedido de impeachment.

A secretaria da Câmara de Vereadores de Araripina, informou que recebeu o requerimento de impeachment hoje, às 11 da manhã. O Presidente irá encaminhar para o grupo jurídico de assessoria da casa, que em seguinte a comissão pertinente trabalhará as devidas providências.

O vereador Luciano Capitão que, sempre estará e está ao lado do povo, nunca arquivou nenhum pedido dentro da legalidade em sua gestão, informa que acatará qualquer requerimento, solicitação ou similar que seja das obrigações legais da casa de representação do povo Araripinense.

Sobre o pedido de impeachment do prefeito Alexandre Arraes (PSB) feito pelo vereador Evilásio Mateus

Por Everaldo Paixão | Foto: rafaeldiniz

Na quarta-feira (03) o vereador da bancada de oposição Evilásio Mateus protocolizou o pedido de impeachment do prefeito de Araripina – Alexandre Arraes (PSB). Como foi explicitado por uma matéria intitulada “Alexandre Arraes nas mãos de Luciano Capitão. Qual será o lado do Capitão? Veiculada no Blog Araripina em Foco indagando se o presidente da Câmara de Vereadores – Luciano Capitão (PMDB) vai aceitar ou recusar o pedido de Mateus, algumas considerações serão elencadas aqui neste caderno de notícias.

Lembrando que, como foi também informado pelo Araripina em Foco, nesta terça-feira (09), começam os debates para analisar o pedido de impeachment para cassação do gestor municipal. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) presidida pelo Vereador Sandoval Batista se reunirá para criar fundamentos consistentes sobre o pedido.

Vejamos algumas dúvidas que precisamos tirar dos nossos leitores sobre um pedido de impedimento:

Denúncia
O processo de afastamento começa com a apresentação de uma denúncia contra o prefeito

Pela Lei Orgânica do Município e pelo Regimento Interno da Câmara, a denúncia pode ser feita por vereadores, partidos políticos ou qualquer eleitor

A denúncia à Câmara Municipal tem de envolver uma infração político-administrativa, como a falta de probidade administrativa ou o não-cumprimento de leis e decisões judiciais

Essa denúncia pode ser feita, por exemplo, por meio de um relatório da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Câmara

Rito
A denúncia será lida em plenário e, caso aprovada pela maioria simples dos vereadores, já na mesma sessão será criada uma Comissão Procesante (CP) com três vereadores responsáveis, que irão eleger presidente e relator.

Após a escolha do presidente, a comissão iniciará os trabalhos em cinco dias, notificando o denunciado, no caso, o prefeito Alexandre Arraes (PSB), que terá dez dias para defesa e a CP terá outros cinco para decidir entre o prosseguimento ou o arquivamento.

Caso os vereadores decidam pela continuidade do processo, depois de todos os atos, diligências e audiência, o denunciado terá mais cinco dias para apresentar suas razões. Em suma, todo o rito deve durar cerca de 90 dias e, após os prazos, a comissão emitirá um parecer final, decidindo pela procedência ou improcedência da acusação.

O último passo será a sessão de julgamento, onde o prefeito poderá ter seu mandado cassado caso dois terços dos vereadores votem a favor da denúncia apresentada.

Pois bem, pelo que pude entender e isso deve ter embasamento jurídico, o presidente da Câmara, no caso, Luciano Capitão, apenas seguindo a decisão votada pela maioria em plenário deve sim acolher o pedido de impeachment para então encaminhar a formação de uma Comissão Processante composta por três vereadores que serão sorteados na mesma sessão, entre os quais um será o presidente e o outro o relator.

Para o Vereador Evilásio Mateus o problema esbarra na Lei Orgânica do Município que trata apenas de CPI sem mencionar os procedimentos legais que devem ser adotados para o pedido de um impeachment. Mas mesmo assim, será concluída a fundamentação jurídica que será assinada e encaminhada a presidência.

Nas redes sociais o pedido de impeachment feito na quarta-feira (03) pelo vereador Mateus, para alguns foi uma atitude tomada tarde demais e cheia de interesses, para outros uma decisão acertada e corajosa.

Em caso de arquivamento, o plenário decidirá ou não pelo prosseguimento do processo.

‘Araripina está sendo vendida’, disse Valmir Filho

Foto: Arquivo | Ivo Bezerra | Por Everaldo Paixão

Pré-candidatura
Valmir Filho falou que ser pré-candidato era um sonho antigo e que pensou em ver Araripina não ser retaliada, nem maltratada, ‘e não ser vendida’ como está sendo.

Disse que em 2012 apostou no atual prefeito porque acreditava que ele seria um bom gestor para fazer um ‘Araripina diferente’ como ele dizia, que acompanhou um sonho que depois era apenas realizado por ele (o gestor) e pela família dele.

Rompimento com o prefeito Alexandre Arraes
A minha intenção era romper logo no primeiro ano, sendo impedido por vários amigos, pela família que pediu paciência para dar uma chance para ele tentar acertar, mas ele nunca ouvia ninguém, desabafou Filho. Após o rompimento Valmir Filho lembrou que convidou alguns amigos e formaram um grande grupo que acreditava em Araripina e não pedia nada em troca, apenas uma Araripina decente.

Traído por aliados
Filho disse que através de documentos (que os tem guardados) enviados ao governador, ele pedia que tivesse o mesmo direito do candidato que apoia o prefeito e o que diz que não apoia, mas é apoiado pelo mesmo lado. Reclamou que nunca foi atendido em nada em suas reivindicações ao Palácio e nem como aliado do vice-governador ele era atendido. Forçado, desabafou que foi levado juntamente com os outros dois pré-candidatos do lado do governo, para conversar com o articulador político e Secretário da Casa Civil – Antônio Figueira e que foi o único que entrou em discordância. Lembrou que os outros dois (Tião do Gesso e Aluízio Coelho) voltaram a conversar com o Palácio e ele havia sido excluído do novo acordo. Confidenciou que foi “tratorado” por aliados do seu grupo político que queria subtrair vantagens financeiras.

Motivos da sua desistência como Pré-candidato
Além dos motivos supracitados e pela caminhada sua que vinha sendo esmagada pelo o rolo compressor do governo estadual e por algumas pessoas do grupo que não queria pensar na cidade e por isso, Filho disse que foi se sentindo mal, além do que disseram que ele não crescia nas pesquisas de sondagem internas.

Por que colocou seu nome como pré-candidato
Valmir Filho ainda acredita que seria o melhor para Araripina, mas segundo ele foi esmagado pelo poderia econômico e relatou que o prefeito Alexandre Arraes sabe muito bem aplicar a ‘política rasteira’ e confessou do que foi também arquitetado pelo Governo do Estado contra a sua candidatura por não querer aliança com o candidato do prefeito, e ainda por cima, tentaram comprar o seu apoio.

Sobre os araripinenses
Para Filho o povo também não reconheceu o seu esforço e lembrou que acreditava que ia crescer nas pesquisas, mas que o povo ainda não entendia que o seu nome era o melhor para governar Araripina. Filho em desafio acreditava que Araripina ia viver um tempo sem corrupção, sem Polícia Federal na porta da Prefeitura, sem nepotismo, uma Araripina correta e do bem.

Sobre os três candidatos

Tião do Gesso
Valmir Filho citou o parentesco que tem com Tião do Gesso e falou das suas qualidades como cidadão de bem, mas que ele anda com más companhias e é indubitavelmente o candidato do prefeito. Que o grupo que o apoia é o mesmo que está na prefeitura assumindo hoje um caos deliberado e que é para ele é um grupo desgastado da gestão Arraes que quer continuar destruindo Araripina e sendo governada pela primeira dama.

Aluízio Coelho
Se referindo a Aluízio Coelho como “tal” fez questão de mencionar que uma parte do seu grupo migrou para ele principalmente por imposição do governador que deu as duas opções: ou migrava para Tião ou para Aluízio que são candidatos do Palácio. Disse que não acredita nele e sem medo de errar como ele chegou ao município há pouco tempo não entende que tanto amor é esse por Araripina. Citou que foi buscar informações dos seus antecedentes familiares e descobriu algumas complicações que era motivo de muita preocupação. Pediu para o povo não se iludir com conversa bonita e disse que não confia ‘nesse rapaz’ porque além de tudo ele não consegue olhar nos olhos das pessoas.

Raimundo Pimentel
Valmir Filho disse que conversou com ele e que ele prometeu uma Araripina diferenciada e em ordem, que iria fazer uma auditoria para saber como estaria a sua saúde financeira e por isso, ele havia se sentido feliz. Profetizou que não tem dúvidas que é ele quem vai ter o nome sufragado nas urnas em 02 de outubro.
Disse que as conversas estão avançando com Pimentel e quem gostar da sua família vota em Raimundo. Para Valmir Filho dos candidatos ele é o melhor.

Pedidos que foram feitos
Ativar a Paradise (Operação Paradise) cobrando da justiça celeridade no processo e fizesse um levantamento de quanto foi desviado (se foi) da prefeitura, o porquê dos atrasos nos salários dos servidores, o que aconteceu com a merenda escolar, o transporte escolar.

Finalizando o médico Valmir Filho disse que espera que quando Raimundo assumir a prefeitura ele faça uma limpeza geral e coloque Araripina nos trilhos do desenvolvimento.

 

Alexandre Arraes nas mãos de Luciano Capitão. Qual será o lado do Capitão?

Amanhã terça-feira (09), começam os debates e análises para o primeiro pedido de impeachment da cidade de Araripina (PE). De uma lado temos o vice prefeito, Dr.Valmir Lacerda Filho (PMDB), do outro, temos o atual Presidente da Câmara de Vereadores, Luciano Capitão (PMDB), e no meio temos o destino do prefeito Alexandre Arraes (PSB).

O pedido do impeachment foi protocolado pelo vereador Evilásio Mateus (PSL) e o presidente da Câmara de Vereadores deverá decidir se ACEITA ou RECUSA o pedido do vereador, pois como foi dito por Evilásio, “nossa legislação municipal não cobre este assunto, porém é legal usar a legislação Estadual ou Federal”.

Em boatos de bastidores, todos os vereadores que não estão do lado da gestão atual, vão votar favoravelmente ao impeachment do prefeito Alexandre Arraes, entretanto,  para essa votação ocorrer, o presidente da Câmara tem que aceitar o pedido de cassação solicitado por Evilásio Mateus .

Esperamos que o presidente da Câmara dê uma resposta a altura, pelos salários atrasados, a falta de ordem municipal e desrespeito aos cidadãos araripinenses.

Convenções em Araripina homologam as candidaturas de Aluízio, Tião e Raimundo

Por Everaldo Paixão

Duas convenções aconteceram na quinta-feira (04) em Araripina, Sertão de Pernambuco, para definir as candidaturas a prefeito e vice-prefeito do Partido Solidariedade (SD) e do Partido Progressista (PP).
Uma das convenções mais esperada que ainda não tinha definido a chapa completa, sendo mantido em suspense até a última hora, foi a do Partido Solidariedade. Apresentada no momento como vice na chapa com Tião do Gesso, Camila Sampaio que apareceu de braços dados com o ex-prefeito Lula Sampaio (seu pai), realmente foi a surpresa do evento e motivo de muita ovação pela plateia presente.

Os nomes dos candidatos a vereador foram apresentados com seus respectivos números. A coligação que apoia Tião do Gesso e Camila Sampaio segue com a base aliada dos vereadores de mandato, e são eles: Francisco Edvaldo, João Dias e Divona, que vão tentar a reeleição.
A convenção do Partido Progressista que homologou às candidaturas de Aluízio Coelho para prefeito e José Torres para vice contou também com a presença do ex-prefeito e ex-deputado Valdeir Batista, além dos vereadores com mandato, Luciano Capitão, Camila Modesto, Tico de Roberto e Aderval Régis. Com a desistência de Valmir Filho, parte dos seus aliados resolveu marchar junto com Coelho.
Na sexta-feira foi a vez do Partido Social Liberal (PSL) homologar as candidaturas de Raimundo Pimentel e Bringel Filho. Também com o apoio do ex-prefeito e ex-deputado Bringel, além dos vereadores de mandatos – Evilásio Mateus, Aurismar Pinho, Luís Henrique, Genival da Vila, os novos que se integram a campanha – Humberto Filho e Doval da Saúde, que vão acompanhar o candidato de oposição em Araripina a base aliada do governador. Pimentel também deve receber Valmir Filho no seu palanque, já que, o seu irmão Ryan Lacerda decidiu também marchar com o candidato do PSL.
Três candidaturas, muitas surpresas, esquentaram a reta final do prazo definido pela lei eleitoral para a realização das convenções.

Três candidatos homologam suas candidaturas em Araripina. A previsão era que apenas seriam duas candidaturas polarizando a disputa entre candidato de oposição e candidato de situação.
Dia 15 do mês é o último prazo para os partido políticos e as coligações apresentarem no cartório eleitoral competente, o requerimento de registro de candidatos a prefeito, a vice-prefeito e a vereador.
Dia 16 é a data permitida para o início da propaganda eleitoral, podendo então a partir daí funcionar, das 8 às 22 horas, alto-falantes ou amplificadores de som, realização de comícios das 8 às 24 horas (prorrogado por mais duas horas no comício de encerramento), propaganda eleitoral na internet, distribuição de material gráfico, caminhada, carreata, passeata ou carro de som que transite pela cidade, divulgação de jingles ou mensagens dos candidatos, valendo até às 22 do dia 1º de outubro.

DEM e partidos aliados realizam a maior convenção da história política de Bodocó

As tentativas de atrapalhar e desmobilizar a população através de provocações foram inúmeras, mas a vontade dos bodocoenses prevaleceu. Bodocó assistiu à maior Convenção Partidária da história do município, realizada na noite dessa sexta-feira (05), no Olympius Clube. O azul tomou conta da cidade sertaneja e os nomes de Túlio Alves (DEM) e Edmilson Alencar (PRTB) foram homologados como candidatos a prefeito e vice-prefeito, respectivamente.

Mais de dez mil pessoas compareceram à Convenção Partidária do Democratas (DEM), que tem como presidente o ex-prefeito Brivaldo Alves. Ali também aconteceram as convenções dos demais partidos aliados, que juntamente com o DEM, constituíram a Coligação Unidos por um Bodocó melhor.

O palco foi composto pelos presidentes dos partidos: Zé Jacó (PTB – vice-prefeito dissidente da atual gestão), Zé Claudio (PSL), Elenilson de Sousa (PSC), Claudete Matos (PDT), além dos presidentes do PRTB, Edmilson Alencar e Brivaldo Alves (DEM). O líder do DEM na Câmara de Vereadores, Jorginho Furtado, pré-candidatos a vereador e o ex-prefeito Zé Bezerra também estiveram presentes.

Brivaldo Alves destacou que o maior objetivo do grupo político é fazer Bodocó voltar a crescer e dar dignidade, principalmente a quem mais precisa. O ex-gestor defendeu os interesses da população e teceu críticas à atual gestão. “Não podemos ver Bodocó se acabar e ficarmos de braços cruzados. Nosso município precisa de mudança, por isso nosso grupo escolheu o nome de Túlio Alves para candidato a prefeito.”

Túlio Alves foi recebido com festa pelo público. Em discurso emocionado, agradeceu ao povo pelo apoio e pelas demonstrações de carinho que vem recebendo. Falou de seu entusiasmo em dividir a chapa com seu companheiro, Edmilson Alencar. Expressou respeito e admiração à sua principal referência política: ¨Quero seguir o exemplo de Brivaldo Alves, meu pai, de forma honesta, íntegra, leal e comprometida com o povo de Bodocó.”

Túlio destacou a situação na qual o município se encontra: “Hoje o bodocoense deixou de clamar por grandes obras para implorar por direitos básicos que foram desprezados pela atual gestão. Já presenciei a vergonhosa cena de crianças terem que empurrar um ônibus sucateado para tentar chegar à escola. Fora isso, ainda saem de casa com fome e chegam da escola com mais fome ainda por falta de merenda escolar.”

“Chegou a hora de retomar o desenvolvimento. Vamos em busca de um futuro próspero para os bodocoenses, em busca de oferecer saúde e educação de qualidade, assistência social voltada para os que mais necessitam e uma cultura de valorização”, afirmou.

unnamed (1) unnamed (3)

Crédito das fotos: Leo Drone e Cell Filho – Fonte – Blog do Romulo Lima

Dr. Ronaldo Sampaio disputará prefeitura de Granito

Dr. Ronaldo Sampaio (PSB) coloca seu nome à disposição do povo de Granito, no Sertão do Araripe, ex-prefeito querido pelos munícipes é o pré-candidato a prefeito do município que conta com o apoio do governo de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB). O jovem odontólogo Taylan Geraldo (PRB) será o vice.

Sempre com muita humildade, tranquilidade e respeito aos granitenses, Dr. Ronaldo declarou, “vou colocar meu nome novamente para o povo de granito avaliar e ver se é o que Granito precisa, quando prefeito, fiz um trabalho e essa avaliação só quem pode fazer é o povo do nosso município, estamos em um novo tempo, onde as políticas precisam ser feitas com responsabilidade, tranquilidade e pé no chão”, disse. O pré-candidato garantiu que se eleito for, irá fazer um trabalho voltado à população do município.

“Granito foi o lugar que nasci, me criei e que tenho todo carinho do mundo, o grupo político a que faço parte decidiu pelo meu nome e por isso sou pré-candidato a prefeito e vou colocar meu nome para avaliação do nosso povo e que tudo seja feito conforme a permissão de Deus, Jesus e nossa senhora”, disse.

O jovem odontólogo de Granito, Taylan Geraldo, filho do ex-vice-prefeito, Antonio Geraldo, será o vice de Dr Ronaldo Sampaio. “A política precisa de sangue jovem, que venha com vontade de trabalhar, ajudar e cuidar do nosso município, nossa gente, nossos meninos e meninas e Taylan tem esse perfil, vamos juntos colocar nosso nome à disposição do povo de granito , quando prefeito, fiz um mandato responsável e mudamos muitas coisas , acho que nossas contas foram uma das primeiras a serem aprovados sem ressalvas e vamos em frente , firmes e com toda vontade de fazer mais ainda do que fizemos”, declarou. Fonte: Farol do Araripe