“Mesmo obtendo mais votos que 17 dos 49 deputados eleitos, Socorro ficou de fora da Alepe”, lamenta Pimentel

O prefeito de Araripina Raimundo Pimentel (PSL), esposo de Socorro Pimentel (PTB), lamentou na manhã desta quinta-feira (11) na Rádio Arari FM, que a deputada estadual não tivesse conseguido número de votos suficientes para garantir à sua reeleição.

“Primeiro eu quero agradecer ao povo de Araripina, em meu nome, em nome de Socorro, porque mais uma vez saímos vitoriosos da eleição em nossa cidade, e é preciso lembrar disso. Mais uma vez com relação aos nossos adversários, Socorro foi a mais votada em Araripina e no Araripe. Agora, infelizmente, existe uma regra no jogo que é muito injusta, mas nós temos que cumprir. Você imaginar que existe hoje na Assembleia Legislativa, 17 deputados eleitos que tem menos voto que Socorro, realmente é algo difícil de você aceitar, mas temos que levantar a cabeça e seguir em frente”, ponderou.

Sem citar nomes, Pimentel destacou que tem gente comemorando a vitória com justa razão, mas tem gente também, que está comemorando porque conseguiu tirar uma vaga que pertencia a Araripina, e que serviu segundo ele, para dar ao candidato de Ouricuri.

“Você entra com uma candidatura de um cidadão que já demonstrou que não tem compromisso com a cidade, nunca votou num filho de Araripina, que chegou aquí há pouco tempo, que usa uma conversa que não está aqui prá fazer política, mas em toda eleição é candidato, isso é querer enganar nossa população. Não foi só Socorro que perdeu, foi Araripina que perdeu uma vaga na Assembleia Legislativa, e por muito pouco não tirou Roberta também. Ele sabia que não ia ganhar, todo mundo sabia disso. A candidatura dele serviu apenas para eleger o candidato de Ouricuri”, disparou.

Paulo Câmara

Segundo Pimentel, a vitória de Paulo Câmara, que inicialmente tinha a avaliação de que a reeleição seria muito difícil, se deu pela retirada da candidatura de Marília Arraes e com o que ele chamou de reconciliação circunstancial com o PT.

”Em função da própria rejeição que o governador tinha, mas que ao longo da campanha esses índices foram diminuindo, devido a forma que o PSB conduziu a questão da retirada da candidatura de Marília Arraes, e principalmente a reconciliação circunstancial com o PT, esses dois fatores foram determinantes para a reeleição do governador”, frisou. 

Por Roberto Gonçalves/Foto: Reprdução

Eleitos já estão de olho em 2020

Eleitos, deputados estaduais e federais já vislumbram a possibilidade de disputar as eleições municipais em 2020. Nos corredores da Assembleia Legislativa, avalia-se que, ao menos, seis deputados federais que se elegeram no último domingo e 16 estaduais podem concorrer a prefeituras em 13 municípios, sendo a do Recife a mais disputada. Caruaru, no Agreste, e Petrolina, no Sertão, também são cobiçadas.

Ao todo, sete parlamentares são possíveis candidatos na disputa pela Prefeitura do Recife. Os dois deputados federais mais votados João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT), primos e adversários políticos, o deputado estadual Silvio Costa Filho (PRB), eleito federal, os federais reeleitos Daniel Coelho (PPS) e Felipe Carreras (PSB) e a estadual reeleita Priscila Krause (DEM). Além do ex-prefeito João Paulo (PCdoB), que retorna à Casa Joaquim Nabuco.

Nos bastidores, comenta-se que a delegada Gleide Ângelo (PSB), a deputada estadual mais votada da história de Pernambuco, com 412.636 votos, deve receber a missão partidária de disputar a Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes, hoje comandada por Anderson Ferreira (PR). A oposição ao gestor, que é antagonista ao Palácio das Princesas, saiu enfraquecida e a delegada será estratégica.

Caruaru elegeu três estaduais – delegado Erick Lessa (PP), José Queiroz (PDT) e Tony Gel (MDB), estes dois últimos já foram prefeitos. A atual gestora do município é Raquel Lyra (PSDB), que em 2016, após se eleger, deixou a Alepe. O emedebista saiu fortalecido da eleição com mais votos em 2018 (49.133) do que em 2014 (42.152).

Outro que saiu fortalecido foi o estadual Lucas Ramos (PSB), que obteve 62.968 votos, quase 4.453 votos a mais do que em 2014. O socialista deve disputar a legenda com o federal Gonzaga Patriota (PSB). Nos bastidores, avalia-se que eles devem compor chapa para enfrentar o prefeito Miguel Coelho (PSB), que não terá a sigla, e o deputado estadual Odacy Amorim (PT), que não se elegeu federal, mas alçou a esposa, Ducicleide de Amorim (PT), à Alepe.

Entre os estaduais do PSB reeleitos, Diogo Moraes é cotado para disputar a Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste, Waldemar Borges a de Gravatá, também no Agreste, e Simone Santana a de Ipojuca. A estadual Teresa Leitão (PT), primeira mulher reeleita pela quinta vez seguida, pode disputar Olinda. Já o neófito Guilherme Uchoa Junior (PSC) pode concorrer em Igarassu.

Já os estaduais do PP reeleitos, Antônio Moraes é cotado para disputar Macapanara, na Mata Norte, e Roberta Arraes, Araripina, no Sertão. Ex-prefeito de São José do Belmonte, deputado estadual reeleito Rogério Leão (PR), deve disputar novamente a gestão municipal, assim como o ex-prefeito de Ribeirão, Clóvis Paiva (PP), que se elegeu deputado estadual.

Blog da Folha

Guru de Bolsonaro acusado

Em nota divulgada na noite desta quarta-feira, a defesa do economista Paulo Guedes , considerado o guru econômico do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) classificou a investigação aberta contra ele como uma “afronta a democracia cujo principal objetivo é o de confundir o eleitor”, diz o texto assinado pelos advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso que representam o economista. Os defensores afirmam ainda que a abertura da investigação pelo Ministério Público Federal às vésperas da definição da eleição presidencial causa “perplexidade”.

procedimento investigatório criminal foi instaurado em 2 de outubro deste ano pela Procuradoria da República em Brasília, com base em um relatório da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) que aponta indícios de fraudes nos aportes feitos pelos fundos de pensão ligados a estatais em dois fundos de investimentos criados pela BR Educacional Gestora de Ativos, empresa de Paulo Guedes. Para os advogados, porém, o relatório é “manifestamente mentiroso”.

As suspeitas levantadas pela Previc envolvem operações realizadas no primeiro ano em que o FIP foi aberto, em 2009 e também em 2013. De acordo com o Previc, logo no primeiro ano todo o aporte recebido dos fundos de pensão ligados a estatais foi destinado a aquisição da empresa HSM Educacional que tinha Paulo Guedes como um dos membros de seu Conselho de Administração e amargou prejuízos nos anos seguintes. Além disso, logo após receber o aporte a HSM Educacional adquiriu da HSM Group, sediada na Argentina, a empresa HSM do Brasil, criada em 2009 e com sede em Barueri (SP).

O negócio teve ágio de R$ 16,5 milhões. A HSM do Brasil, contudo, não tinha ações em bolsa e o valor de suas cotas que foram vendidas foi calculado com base em um laudo. Para a Previc, a HSM Brasil não era operacional o que levantou suspeitas sobre o valor pago. Ainda não está claro porém a relação entre o HSM Group, na Argentina e a empresa da qual Paulo Guedes participava do Conselho de Administração.

Em outras palavras, a suspeita é de que Paulo Guedes teria beneficiado a empresa na qual chegou a atuar como conselheiro a partir dos recursos dos Fundos de Pensão que foram aportados no FIP administrado por ele.

Saiba quais partidos definiram apoio no segundo turno

Com a confirmação de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições presidenciais, os demais partidos começaram a definir a posição que adotarão no pleito.

No primeiro turno, Bolsonaro obteve 49,2 milhões de votos (46,03%) e Haddad, 31,3 milhões (29,28%). O segundo turno está marcado para o dia 28.

Saiba abaixo a posição dos partidos no segundo turno (em ordem alfabética):

DC: O partido de Eymael, que disputou o primeiro turno, decidiu, ontem, por uma posição de neutralidadeno segundo turno. Com isso, os filiados estão liberados para votar em qualquer um dos dois candidatos.

DEM: O presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto, divulgou nota, hoje, anunciando que o partido não apoiará no segundo turno da disputa pelo Palácio do Planalto nem Jair Bolsonaro nem Fernando Haddad. O comunicado do DEM destaca que os integrantes da legenda terão liberdade para apoiar quem quiserem. O próprio ACM Neto se manifestou a favor de Bolsonaro.

Novo: O partido, que concorreu no primeiro turno com João Amoêdo, confirmou, ontem, que não vai apoiar nem Bolsonaro nem Haddad. No entanto, a sigla declarou, em nota aos militantes, que é “absolutamente” contrária ao PT, que, segundo o Novo, “tem ideias e práticas opostas às nossas”.

Patriota: O candidato do partido à Presidência da República, Cabo Daciolo, afirmou que não apoiará nenhum dos dois candidatos que disputarão o segundo turno.

PDT: O partido do presidenciável Ciro Gomes, o PDT, anunciou “apoio crítico” a Fernando Haddad a fim de “evitar a vitória das forças mais reacionárias e atrasadas do Brasil”. Na eleição presidencial, Ciro Gomes terminou o primeiro turno em terceiro lugar, com 13,3 milhões de votos.

Podemos: Em nota divulgada nesta quarta, o partido anunciou que permanecerá neutro no segundo turno. A sigla liberou a militância para apoiar, individualmente, qualquer um dos candidatos.

PP: A sigla divulgou um documento nesta terça em que declara que manterá postura de “absoluta isenção e neutralidade” no segundo turno. A legenda integra o chamado bloco do “Centrão” e no primeiro turno do pleito havia participado da coligação do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin.

PPL: Em nota divulgada nesta terça, o PPL, que concorreu no primeiro turno com João Goulart Filho, declarou apoio a Fernando Haddad. Filho do ex-presidente Jango, Goulart Filho disse no comunicado que o país corre um “grande risco” diante da possibilidade de Bolsonaro se eleger no segundo turno.

PPS: O presidente do partido, Roberto Freire, anunciou, hoje, que o partido fará oposição às duas candidaturas por considerar que os dois projetos de governo ‘flertam com ditaduras’.

PSB: Neutro no primeiro turno, o partido definiu, ontem, o apoio à candidatura de Fernando Haddad. A cúpula da legenda também resolveu liberar os diretórios regionais de São Paulo e do Distrito Federal, onde os candidatos do PSB, Márcio França e Rodrigo Rollemberg, respectivamente, disputarão o segundo turno ao governo estadual.

PSDB: Em reunião nesta terça, a Executiva Nacional do partido, que disputou o primeiro turno com Geraldo Alckmin, decidiu ficar neutro no segundo turno. A cúpula do PSDB, porém, decidiu liberar as direções estaduais da legenda a e os filiados a se posicionarem como quiserem nas unidades da federação.

PSOL: O partido, que disputou o primeiro turno com Guilherme Boulos, declarou que irá apoiar o candidato do PT, Fernando Haddad, no segundo turno. A decisão foi tomada pela Executiva Nacional do partido após reunião na segunda.

PR: O líder do partido na Câmara, deputado José Rocha (BA), informou, hoje, que a legenda decidiu não declarar apoio nem a Bolsonaro nem a Haddad no segundo turno. O PR resolveu liberar seus filiados para manifestarem apoio a quem quiserem. O líder do PR ressaltou que não se trata de neutralidade. “O PR se colocou numa posição de liberar todos os seus representantes. Temos parlamentares que apoiam Bolsonaro e outros, Haddad”, justificou.

PTB: Em nota divulgada nesta terça, o partido anunciou apoio a Bolsonaro. Segundo a nota, as propostas econômicas do candidato do PSL são o principal motivo do apoio.

PRB: O partido decidiu não apoiar Haddad nem Bolsonaro. Informou ter liberado os filiados a votar em quem quiserem, conforme o interesse local.

Solidariedade: Hoje, o partido declarou que ficará neutro na disputa do segundo turno. A sigla liberou os diretórios e seus correligionários a se posicionarem “de acordo com a realidade local dos estados” e orienta o apoio a somente quem “respeitar a Constituição vigente” e “manter o compromisso com a democracia”.

PF prende ex-governador Marconi Perillo

Polícia Federalprendeu preventivamente na tarde desta quarta-feira o ex-governador tucano Marconi Perillo,candidato derrotado ao Senado pelo estado de Goiás, por suspeitas envolvendo pagamentos de propina da Odebrecht, investigada na operação batizada de Cash Delivery .

As suspeitas são que o ex-governador recebeu da Odebrecht R$ 2 milhões em 2010 e R$ 10 milhões em 2014, em troca de benefícios em obras no estado.

Segundo a defesa de Perillo, a ordem de prisão, concedida pela Justiça Federal de Goiás, foi informada ao tucano no momento em que ele se apresentou na PF para prestar depoimento sobre o caso. O ex-coordenador de suas campanhas eleitorais, Jayme Rincón, havia sido preso na deflagração da operação, no último dia 28 , mas a PF na ocasião afirmou que não podia solicitar a prisão de Perillo porque estava próximo das eleições e ele era candidato.

No pedido da prisão, o Ministério Público Federal afirma que “abundam indícios” de que Perillo é chefe da organização criminosa e diz que o resultado das buscas e apreensões, como o fato de terem encontrado R$ 1 milhão nas residências de investigados, mostra que a organização “encontra-se atualmente em franca atividade de coleta de propina e de lavagem de dinheiro”. O MPF cita que Perillo continuava mantendo influência sobre o governo estadual e que já estava se articulando para ser indicado ao Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás para obter foro privilegiado e tentar se blindar das investigações.

Em sua decisão, o juiz federal Rafael Ângelo Slomp, da 11ª Vara Federal de Goiás, afirmou que havia risco de a organização criminosa estar em atuação durante o período eleitoral, por isso seria justificável a prisão preventiva do ex-governador. “Possíveis dívidas de campanha ainda podem estar sendo pagas, fechamentos de contas eleitorais sendo realizados, bem como valores arrecadados podem ainda estar em vias de ser distribuídos, de modo que a necessidade da prisão não deve ser afastada antes do término do período eleitoral, sobretudo se considerada a precipitada influência do investigado no governo estadual”.

Ouvido pela PF na ocasião de sua prisão, Ryncón confirmou ter sido procurado por executivos da Odebrecht para tratar de contribuições financeiras às campanhas de Perillo, mas diz que todos os valores recebidos foram registrados na Justiça Eleitoral e legais.

Em nota, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que o Tribunal Regional Federal da 1ª Região já havia concedido duas decisões liminares para soltar duas outras pessoas presas nessa mesma operação e disse que “não há nenhum fato novo que justifique” a prisão. “A defesa acredita no Poder Judiciário e reitera que uma prisão por fatos supostamente ocorridos em 2010 e 2014, na palavra isolada dos delatores, afronta pacífica jurisprudência do Supremo, que não admite prisão por fatos que não tenham contemporaneidade”, afirmou Kakay.

Kátia Abreu sugere que Haddad renuncie e Ciro o substitua contra Bolsonaro

A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) defendeu, nesta quarta-feira, 10 que o candidato do PT Fernando Haddad renuncie à campanha presidencial nas eleições 2018 “em nome da democracia”. O objetivo de sua proposta é que o petista, ao abrir mão da disputa, abra espaço para que Ciro Gomes (PDT) seja o adversário de Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno.
“Eu não estranharia e acharia muito digno se por acaso ele (Haddad) desistisse da candidatura vendo que pode entregar o País a um fascismo religioso”, afirmou, referindo-se a Bolsonaro. “A lei é clara. Se ele renunciar à sua candidatura, Ciro Gomes é o candidato. E é o único capaz de vencer Bolsonaro” justificou.
A proposta de Kátia Abreu se baseia no artigo 77 da Constituição Federal, que no inciso 4º diz que “se, antes de realizado o segundo turno, ocorrer morte, desistência ou impedimento legal de candidato, convocar-se-á, dentre os remanescentes, o de maior votação”.
Kátia Abreu disse também que não fará campanha para Haddad, apesar da decisão do partido de optar pelo “apoio crítico”. “PDT só deu apoio crítico ao PT para não dar uma de Pôncio Pilatos, para não lavar as mãos diante da ameaça e fascismo que a outra candidatura representa. O PT que tinha uma causa lá atrás não existe mais, não vale a pena defender.” A senadora afirmou ainda irá votar em “branco” ou “nulo” em 28 de outubro.
Por Agência estado

Joel da Harpa pode não ser diplomado pelo TRE e vaga ser distribuída

O deputado estadual reeleito Joel Maurino do Carmo, conhecido como Joel da Harpa, pode não ser diplomado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco.

É que Maurino teve sua candidatura impugnada pelo MP Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa, mas conseguiu uma decisão por 4×3 a seu favor no TRE-PE sob o argumento de que não fora excluído da PMPE, mas sim transferido para a Reserva Remunerada.

O MP Eleitoral recorreu para o TSE (Proc. 0600792-92.2018.6.17.0000), e ontem veio a má surpresa para Joel: a FUNAPE “cassou” sua reserva remunerada (aposentadoria) com efeito retroativo.

Ou seja, quando do julgamento pelo TRE-PE ele estava efetivamente inelegível. Agora o MP Eleitoral deve juntar a portaria da FUNAPE ao processo no TSE e sepultar de vez a pretensão do deputado.

Com isso poderá haver recálculo dos votos e outra coligação receber a vaga que seria destinada ao deputado eleito.

Por Edmar Lyra

OAB-PE protocola notícia crime contra mensagens de ódio a nordestinos

presidente da OAB Pernambuco, Ronnie Preuss Duarte, e o secretário geral Fernando Ribeiro Lins, estiveram na tarde desta terça-feira (9), no Ministério Público Federal de Pernambuco, para pedir providências na investigação e punição dos responsáveis pelas mensagens de ódio destinadas aos nordestinos nas redes sociais após o resultado do primeiro turno das eleições presidenciais.

Na ocasião, uma notícia crime foi protocolada e, em seguida, os dirigentes foram recebidos pela coordenadora criminal da Procuradoria Geral da República em Pernambuco, Andrea Carneiro, que garantiu celeridade no encaminhamento das investigações.

Leia também:
OAB emite nota de repúdio às manifestações contra nordestinos
[Opinião] Discórdia Fraticida

“É importante que as pessoas entendam que a internet não é uma terra sem lei e que, mesmo com perfis falsos, é possível identificá-las. Nosso objetivo é, cada vez mais, inibir esse tipo de postura”, disse Ronnie Duarte.

Blog da Folha

PSB decide apoiar Haddad no segundo turno

A Executiva Nacional do PSB decidiu, ontem, que o partido irá apoiar o candidato do PT, Fernando Haddad, no segundo turno das eleições presidenciais.

A cúpula da legenda também resolveu liberar os diretórios regionais de São Paulo e do Distrito Federal, onde os candidatos do PSB, Márcio França e Rodrigo Rollemberg, respectivamente, disputarão o segundo turno ao governo estadual.

“O PSB acaba de aprovar uma resolução em que define o seu apoio no segundo turno da eleição presidencial ao candidato Fernando Haddad, propondo que se forme uma frente democrática contra uma candidatura que representa o extremo oposto da candidatura das forças democráticas”, afirmou o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira.

Ele disse ainda ter “confiança absoluta” na decisão que os diretórios em SP e no DF tomarão. “No estado de São Paulo e no Distrito Federal, os diretórios poderão examinar as suas coligações e decidir o que devem fazer, tendo em consideração que temos confiança absoluta no Márcio França e no Rodrigo Rollemberg em que eles precisam ter a liberdade para conduzir as suas campanhas e conquistar uma vitória nessas duas unidades importantíssimas da federação do nosso país”, declarou.

Questionado se França e Rollemberg poderão apoiar o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, o presidente da sigla disse que confia “plenamente” nos dois e que eles tomarão “a decisão mais correta, que tenha consonância com a história do partido”.

“Nós asseguramos a liberdade e sabemos que eles vão tomar a decisão correta em relação ao seu estado”, afirmou o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira.

Durante o primeiro turno, Rollemberg chegou a fazer ato de campanha ao lado de Ciro Gomes, que disputava a Presidência da República pelo PDT.

O PSB também está no segundo turno em Sergipe, com Valadares Filho, e no Amapá, com João Capiberibe. No caso do Amapá, o PSB já está em uma aliança com o PT. O partido já elegeu no primeiro turno Paulo Câmara em Pernambuco, João Azevedo na Paraíba e Renato Casagrande no Espírito Santo.

Siqueira defendeu que Haddad procure “todos os democratas” e “pessoas de bem para que a sua candidatura represente uma frente democrática.

“No momento difícil em que vive o país, com essa polarização, e tendo em vista a necessidade de unidade nacional e das forças democráticas, [propomos] que a candidatura [de Haddad] se transforme em uma candidatura da frente democrática, que agregue personalidades e instituições que defendam a democracia e que o programa não seja apenas de um partido”, disse.

Bolsonaro promete viajar pelo Norte e Nordeste

Jair Bolsonaro disse a aliados que, se for liberado pelos médicos, pretende viajar para o Nordeste e ir a Roraima, região Norte do país. Ele não planeja, por enquanto, voltar a São Paulo –estado em que já obteve forte desempenho eleitoral no primeiro turno.

Projeções sobre um eventual governo Bolsonaro tomaram parte da reunião de dirigentes do centrão, na segunda (8). Ala do grupo considera o presidenciável imprevisível e vê risco de um esgaçamento rápido nas relações entre Planalto e Congresso, caso ele seja eleito –o que essas siglas julgam provável.

A eventual eleição de Bolsonaro embaralhou, inclusive, os planos de sucessão no comando da Câmara e do Senado. O centrão ainda não encontrou um senador disposto a disputar a presidência da Casa sob um governo do capitão reformado.

Por Daniela Lima/Folha de S. Paulo – Coluna Painel