“Mesmo obtendo mais votos que 17 dos 49 deputados eleitos, Socorro ficou de fora da Alepe”, lamenta Pimentel

O prefeito de Araripina Raimundo Pimentel (PSL), esposo de Socorro Pimentel (PTB), lamentou na manhã desta quinta-feira (11) na Rádio Arari FM, que a deputada estadual não tivesse conseguido número de votos suficientes para garantir à sua reeleição.

“Primeiro eu quero agradecer ao povo de Araripina, em meu nome, em nome de Socorro, porque mais uma vez saímos vitoriosos da eleição em nossa cidade, e é preciso lembrar disso. Mais uma vez com relação aos nossos adversários, Socorro foi a mais votada em Araripina e no Araripe. Agora, infelizmente, existe uma regra no jogo que é muito injusta, mas nós temos que cumprir. Você imaginar que existe hoje na Assembleia Legislativa, 17 deputados eleitos que tem menos voto que Socorro, realmente é algo difícil de você aceitar, mas temos que levantar a cabeça e seguir em frente”, ponderou.

Sem citar nomes, Pimentel destacou que tem gente comemorando a vitória com justa razão, mas tem gente também, que está comemorando porque conseguiu tirar uma vaga que pertencia a Araripina, e que serviu segundo ele, para dar ao candidato de Ouricuri.

“Você entra com uma candidatura de um cidadão que já demonstrou que não tem compromisso com a cidade, nunca votou num filho de Araripina, que chegou aquí há pouco tempo, que usa uma conversa que não está aqui prá fazer política, mas em toda eleição é candidato, isso é querer enganar nossa população. Não foi só Socorro que perdeu, foi Araripina que perdeu uma vaga na Assembleia Legislativa, e por muito pouco não tirou Roberta também. Ele sabia que não ia ganhar, todo mundo sabia disso. A candidatura dele serviu apenas para eleger o candidato de Ouricuri”, disparou.

Paulo Câmara

Segundo Pimentel, a vitória de Paulo Câmara, que inicialmente tinha a avaliação de que a reeleição seria muito difícil, se deu pela retirada da candidatura de Marília Arraes e com o que ele chamou de reconciliação circunstancial com o PT.

”Em função da própria rejeição que o governador tinha, mas que ao longo da campanha esses índices foram diminuindo, devido a forma que o PSB conduziu a questão da retirada da candidatura de Marília Arraes, e principalmente a reconciliação circunstancial com o PT, esses dois fatores foram determinantes para a reeleição do governador”, frisou. 

Por Roberto Gonçalves/Foto: Reprdução

Guru de Bolsonaro acusado

Em nota divulgada na noite desta quarta-feira, a defesa do economista Paulo Guedes , considerado o guru econômico do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) classificou a investigação aberta contra ele como uma “afronta a democracia cujo principal objetivo é o de confundir o eleitor”, diz o texto assinado pelos advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso que representam o economista. Os defensores afirmam ainda que a abertura da investigação pelo Ministério Público Federal às vésperas da definição da eleição presidencial causa “perplexidade”.

procedimento investigatório criminal foi instaurado em 2 de outubro deste ano pela Procuradoria da República em Brasília, com base em um relatório da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) que aponta indícios de fraudes nos aportes feitos pelos fundos de pensão ligados a estatais em dois fundos de investimentos criados pela BR Educacional Gestora de Ativos, empresa de Paulo Guedes. Para os advogados, porém, o relatório é “manifestamente mentiroso”.

As suspeitas levantadas pela Previc envolvem operações realizadas no primeiro ano em que o FIP foi aberto, em 2009 e também em 2013. De acordo com o Previc, logo no primeiro ano todo o aporte recebido dos fundos de pensão ligados a estatais foi destinado a aquisição da empresa HSM Educacional que tinha Paulo Guedes como um dos membros de seu Conselho de Administração e amargou prejuízos nos anos seguintes. Além disso, logo após receber o aporte a HSM Educacional adquiriu da HSM Group, sediada na Argentina, a empresa HSM do Brasil, criada em 2009 e com sede em Barueri (SP).

O negócio teve ágio de R$ 16,5 milhões. A HSM do Brasil, contudo, não tinha ações em bolsa e o valor de suas cotas que foram vendidas foi calculado com base em um laudo. Para a Previc, a HSM Brasil não era operacional o que levantou suspeitas sobre o valor pago. Ainda não está claro porém a relação entre o HSM Group, na Argentina e a empresa da qual Paulo Guedes participava do Conselho de Administração.

Em outras palavras, a suspeita é de que Paulo Guedes teria beneficiado a empresa na qual chegou a atuar como conselheiro a partir dos recursos dos Fundos de Pensão que foram aportados no FIP administrado por ele.

Saiba quais partidos definiram apoio no segundo turno

Com a confirmação de Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições presidenciais, os demais partidos começaram a definir a posição que adotarão no pleito.

No primeiro turno, Bolsonaro obteve 49,2 milhões de votos (46,03%) e Haddad, 31,3 milhões (29,28%). O segundo turno está marcado para o dia 28.

Saiba abaixo a posição dos partidos no segundo turno (em ordem alfabética):

DC: O partido de Eymael, que disputou o primeiro turno, decidiu, ontem, por uma posição de neutralidadeno segundo turno. Com isso, os filiados estão liberados para votar em qualquer um dos dois candidatos.

DEM: O presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto, divulgou nota, hoje, anunciando que o partido não apoiará no segundo turno da disputa pelo Palácio do Planalto nem Jair Bolsonaro nem Fernando Haddad. O comunicado do DEM destaca que os integrantes da legenda terão liberdade para apoiar quem quiserem. O próprio ACM Neto se manifestou a favor de Bolsonaro.

Novo: O partido, que concorreu no primeiro turno com João Amoêdo, confirmou, ontem, que não vai apoiar nem Bolsonaro nem Haddad. No entanto, a sigla declarou, em nota aos militantes, que é “absolutamente” contrária ao PT, que, segundo o Novo, “tem ideias e práticas opostas às nossas”.

Patriota: O candidato do partido à Presidência da República, Cabo Daciolo, afirmou que não apoiará nenhum dos dois candidatos que disputarão o segundo turno.

PDT: O partido do presidenciável Ciro Gomes, o PDT, anunciou “apoio crítico” a Fernando Haddad a fim de “evitar a vitória das forças mais reacionárias e atrasadas do Brasil”. Na eleição presidencial, Ciro Gomes terminou o primeiro turno em terceiro lugar, com 13,3 milhões de votos.

Podemos: Em nota divulgada nesta quarta, o partido anunciou que permanecerá neutro no segundo turno. A sigla liberou a militância para apoiar, individualmente, qualquer um dos candidatos.

PP: A sigla divulgou um documento nesta terça em que declara que manterá postura de “absoluta isenção e neutralidade” no segundo turno. A legenda integra o chamado bloco do “Centrão” e no primeiro turno do pleito havia participado da coligação do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin.

PPL: Em nota divulgada nesta terça, o PPL, que concorreu no primeiro turno com João Goulart Filho, declarou apoio a Fernando Haddad. Filho do ex-presidente Jango, Goulart Filho disse no comunicado que o país corre um “grande risco” diante da possibilidade de Bolsonaro se eleger no segundo turno.

PPS: O presidente do partido, Roberto Freire, anunciou, hoje, que o partido fará oposição às duas candidaturas por considerar que os dois projetos de governo ‘flertam com ditaduras’.

PSB: Neutro no primeiro turno, o partido definiu, ontem, o apoio à candidatura de Fernando Haddad. A cúpula da legenda também resolveu liberar os diretórios regionais de São Paulo e do Distrito Federal, onde os candidatos do PSB, Márcio França e Rodrigo Rollemberg, respectivamente, disputarão o segundo turno ao governo estadual.

PSDB: Em reunião nesta terça, a Executiva Nacional do partido, que disputou o primeiro turno com Geraldo Alckmin, decidiu ficar neutro no segundo turno. A cúpula do PSDB, porém, decidiu liberar as direções estaduais da legenda a e os filiados a se posicionarem como quiserem nas unidades da federação.

PSOL: O partido, que disputou o primeiro turno com Guilherme Boulos, declarou que irá apoiar o candidato do PT, Fernando Haddad, no segundo turno. A decisão foi tomada pela Executiva Nacional do partido após reunião na segunda.

PR: O líder do partido na Câmara, deputado José Rocha (BA), informou, hoje, que a legenda decidiu não declarar apoio nem a Bolsonaro nem a Haddad no segundo turno. O PR resolveu liberar seus filiados para manifestarem apoio a quem quiserem. O líder do PR ressaltou que não se trata de neutralidade. “O PR se colocou numa posição de liberar todos os seus representantes. Temos parlamentares que apoiam Bolsonaro e outros, Haddad”, justificou.

PTB: Em nota divulgada nesta terça, o partido anunciou apoio a Bolsonaro. Segundo a nota, as propostas econômicas do candidato do PSL são o principal motivo do apoio.

PRB: O partido decidiu não apoiar Haddad nem Bolsonaro. Informou ter liberado os filiados a votar em quem quiserem, conforme o interesse local.

Solidariedade: Hoje, o partido declarou que ficará neutro na disputa do segundo turno. A sigla liberou os diretórios e seus correligionários a se posicionarem “de acordo com a realidade local dos estados” e orienta o apoio a somente quem “respeitar a Constituição vigente” e “manter o compromisso com a democracia”.

Joel da Harpa pode não ser diplomado pelo TRE e vaga ser distribuída

O deputado estadual reeleito Joel Maurino do Carmo, conhecido como Joel da Harpa, pode não ser diplomado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco.

É que Maurino teve sua candidatura impugnada pelo MP Eleitoral com base na Lei da Ficha Limpa, mas conseguiu uma decisão por 4×3 a seu favor no TRE-PE sob o argumento de que não fora excluído da PMPE, mas sim transferido para a Reserva Remunerada.

O MP Eleitoral recorreu para o TSE (Proc. 0600792-92.2018.6.17.0000), e ontem veio a má surpresa para Joel: a FUNAPE “cassou” sua reserva remunerada (aposentadoria) com efeito retroativo.

Ou seja, quando do julgamento pelo TRE-PE ele estava efetivamente inelegível. Agora o MP Eleitoral deve juntar a portaria da FUNAPE ao processo no TSE e sepultar de vez a pretensão do deputado.

Com isso poderá haver recálculo dos votos e outra coligação receber a vaga que seria destinada ao deputado eleito.

Por Edmar Lyra

Bolsonaro promete viajar pelo Norte e Nordeste

Jair Bolsonaro disse a aliados que, se for liberado pelos médicos, pretende viajar para o Nordeste e ir a Roraima, região Norte do país. Ele não planeja, por enquanto, voltar a São Paulo –estado em que já obteve forte desempenho eleitoral no primeiro turno.

Projeções sobre um eventual governo Bolsonaro tomaram parte da reunião de dirigentes do centrão, na segunda (8). Ala do grupo considera o presidenciável imprevisível e vê risco de um esgaçamento rápido nas relações entre Planalto e Congresso, caso ele seja eleito –o que essas siglas julgam provável.

A eventual eleição de Bolsonaro embaralhou, inclusive, os planos de sucessão no comando da Câmara e do Senado. O centrão ainda não encontrou um senador disposto a disputar a presidência da Casa sob um governo do capitão reformado.

Por Daniela Lima/Folha de S. Paulo – Coluna Painel

Ministro do TSE manda Facebook derrubar 33 fake news sobre Manuela

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Sérgio Banhos determinou, na segunda-feira, 8, em caráter liminar, a retirada de 33 fake news sobre Manuela D’Ávila (PCdoB), candidata a vice na chapa de Fernando Haddad (PT). Segundo a decisão, o conteúdo deve ser retirado em até 24 horas do ar pelo Facebook. Os autores devem ser identificados pela rede social à Justiça e o Ministério Público Eleitoral deve ser intimado a se manifestar sobre o caso.

Em representação, os advogados da coligação ‘O Povo Feliz de Novo’ (PT/PC do B/PROS) afirmam que “as pessoas representadas responsáveis pelas contas e páginas no Facebook teriam se utilizado da rede social para ofender e difamar a candidata Manuela D’Ávila e a coligação representante, por meio da publicação de vídeo, no qual se atribui condutas moralmente reprováveis à candidata”.

Além disso, a defesa afirma que as publicações “contém trechos de vídeo de autoria da candidata,com inserção de matéria jornalística a respeito de manifestação ocorrida no Rio de Janeiro, na qual há imagem de dois manifestantes distribuindo imagens de santas e chutando crucifixos”.

“Após a apresentação das referidas imagens, é inserido novo trecho de vídeo da candidata

produzido para combater a homofobia nas escolas. Entretanto, aparece sua voz ao fundo com

sobreposição de imagens que deturpariam o real conteúdo da publicidade”, afirmam os advogados.

O ministro entendeu ser ‘viável’ a concessão da liminar para derrubar o conteúdo pelo fato de as publicações “mancharem a imagem da candidata perante o público católico e cristão, com o objetivo evidente de interferir no pleito eleitoral”. “Ademais, a mídia foi claramente editada com uso de montagem – por meio da qual se desvirtuou o conteúdo original do vídeo produzido pela candidata representante para combater a homofobia nas escolas -, contendo agressão e ataque à imagem da candidata, atribuindo-lhe conceito sabidamente inverídico”, anotou.

Ele decidiu que “deve ser deferido o pedido liminar para imediata retirada do conteúdo ora

impugnado, bem como para disponibilização dos dados pessoais dos responsáveis pelas publicações, nos termos do art. 34 da Res.-TSE n 23.551/2017, uma vez que se trata de o medida necessária para eventual responsabilização”. “Ante o exposto, defiro o pedido liminar para determinar que a empresa Facebook retire, no prazo de máximo de 24h, o conteúdo hospedado nas URLs acima identificadas”, determinou.

O ministro ainda obrigou o Facebook a, “no prazo de 48h, fornecer a identificação do número de IP da conexão usada para realização do cadastro inicial no Facebook; e ii) os dados pessoais dos criadores e dos administradores dos perfis”.

 

Fonte: IstoE

Homem é preso por violência doméstica em Araripina. PE

Um homem identificado como Osvaldo José de Moraes Neto, de 41 anos, foi preso ontem, segunda-feira dia (08), pelo crime de violência doméstica em Araripina, no Sertão de Pernambuco. O fato aconteceu na Rua Rui Barbosa, centro da cidade.

Segundo informações dos policiais da 9ª CIPM, ao chegarem na casa da vítima, foi encontrada a faca que o acusado usou  para ameaçar a companheira, dessa forma, os envolvidos foram encaminhadas à Delegacia de Polícia Civil local, para serem tomadas as previdências cabíveis. Ainda de acordo com os policiais, havia uma testemunha no local que confirmou o relato da vítima.  O acusado foi autuado em flagrante. B.O 2178/2018. 

 

Araripina em Foco/Foto: Ilustrativa

 

Partido Novo afirma que não vai apoiar nenhum candidato no 2º turno

O partido Novo informou na manhã desta terça-feira, 9, que não deve apoiar ninguém no segundo turno das eleições presidenciais, que serão decididas entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). “O Novo não apoiará nenhum candidato à Presidência, mas somos absolutamente contrários ao PT, que tem ideias e práticas opostas às nossas”, diz nota da legenda enviada à imprensa.

Com pouco mais de 2,7 milhões de votos, o candidato João Amoêdo, líder do partido, ficou em quinto lugar na disputa presidencial, à frente de nomes como Marina Silva (Rede), Henrique Meirelles (MDB) e o senador Alvaro Dias (Podemos).

Na segunda-feira, 8, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Amoêdo chegou a elogiar o economista Paulo Guedes, coordenador econômico da campanha do capitão reformado. “Ele tem algumas ideias que se assemelham ao que defendemos, como mais liberdade econômica e privatização de estatais”, afirmou. “O problema é que essas propostas vêm do assessor econômico. Bolsonaro, como deputado (o candidato está em seu sétimo mandato na Câmara), nunca foi um grande defensor dessas pautas”, disse.

No entanto, um dia depois, a sigla tomou a decisão de manter a neutralidade. “O cenário presidencial no segundo turno não é aquele que desejávamos. Manteremos nossa coerência e nossa contribuição se dará através da atuação de nossa bancada eleita”, informa o documento. Nessas eleições, a sigla elegeu oito deputados federais, onze estaduais e um distrital.

 

Fonte: Folha de S. Paulo

‘Juntas’, cinco mulheres estreiam mandato coletivo na Assembleia Legislativa de PE

Pela primeira vez na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), um grupo de cinco mulheres passa a ocupar uma das 49 vagas da casa. Sob o codinome “Juntas”, o grupo, filiado ao PSOL, foi eleito com 39.175 votos e pretende dividir, além do gabinete e das decisões políticas, a remuneração e os benefícios financeiros.

O grupo é formado pela jornalista Carol Vergolino, pela estudante de letras Joelma Carla, pela ambulante Jô Lima, pela professora Kátia Cunha e pela advogada Robeyoncé Lima, a primeira transexual do Norte e Nordeste do país a usar o nome social na carteira da Ordem dos Advogados do Brasil.

“Ocupar esses espaços é muito importante. Somos muito mais do que um corpo político. Dizemos que somos cinco, mas somos 50, 500, 50 mil mulheres juntas. A legislação eleitoral é individualista e a gente espera essa experiência de ‘mandata’ sirva de inspiração para outras pessoas”, afirma a advogada Robeyoncé, que se inspirou, junto com o grupo, em outros mandatos coletivos exercidos em Goiás, Minas Gerais e São Paulo.

Temas como política para as mulheres, direito à educação e moradia são algumas das bandeiras da “mandata”, palavra adotada pelo grupo como o feminino de “mandato”. Com a mudança, as mulheres do Juntas têm o objetivo de reforçar o que o grupo pretende defender na Alepe.

“Somos uma ‘mandata coletiva’ porque somos feministas. A gente entra para rasgar esse sistema político e para dizer que a política pode acontecer de outro jeito, por isso a gente inverte a lógica linguística e trazemos essa ideia de coletividade, em que tudo vai ser decidido em conjunto”, explica a jornalista Carol Vergolino.

Como funciona para a Justiça Eleitoral

De acordo com o assessor da Corregedoria do Tribunal Regional Eleitoral, Orson Lemos, não existe impedimento para candidaturas coletivas, mas a legislação não contempla todos os participantes de uma única vez. Para a lei, uma pessoa do grupo é tida como o representante oficial, responsável por participar das votações e da tomada de decisões com outros deputados estaduais.

“O nome delas na urna é ‘Juntas’, porém só está inscrita uma delas. Só uma delas deve ser diplomada e vai receber a posse. Se as outras vão ser nomeadas dentro do gabinete, é algo decidido entre elas. Se a representante faltar às sessões, as outras não podem dar o voto”, esclarece Lemos.

Nas urnas, o grupo foi representado pela ambulante Jô Cavalcanti, que, segundo o Tribunal Regional Eleitoral, é a representante legal das cinco. “Vamos dividir tudo. Desde os salários até as decisões, que vão chegar para nós através de um conselho político composto por movimentos sociais. A representante sou eu, mas tudo vai ser dialogado”, afirma Jô.

Bancada feminina dobra na Alepe

Em relação às eleições de 2014, o número de mulheres escolhidas para ocupar cargos na Alepe dobrou em 2018. No domingo (7), 10 parlamentares conquistaram vagas e passam a representar 20,4% das 49 cadeiras da Casa Joaquim Nabuco. A candidata Gleide Ângelo (PSB) foi a candidata mais votada entre os deputados estaduais, com mais de 412 mil votos.

Depois de quase 30 anos, Ouricuri terá novamente representação política na Alepe

Depois dos deputados estaduais Felipe Coelho e Gilvan Coriolano, há quase 30 anos, o município de Ouricuri (Sertão do Araripe) terá novamente uma representação política na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe).

O nome do eleito é Antônio Fernando (PSC). Ele obteve 27.605 votos e vai falar em nome não apenas de Ouricuri, mas de sua região. Desde ontem (7), inclusive, após o resultado, o eleitorado de Antônio Fernando é só festa.

(Fonte: Carlos Britto)