Programação oficial do São João de Araripina 2017

Como tínhamos prometidos, aí está a programação oficial do São João de Araripina 2017:

O maior e melhor São João do interior de Pernambuco. De 19 a 25 de Junho, no Parque 3 Vaqueiros, em Araripina

Tá do jeitinho que a gente gosta! 

19/06  – Segunda 

Aviões do Forró

Flávio Leandro

20/06  – Terça

Alcymar Monteiro

Forró do Muído

Alceu Valença

21/06 – Quarta

Israel Novaes

Dorgival Dantas

22/06 – Quinta

Matheus e kauan

Malla 100 Alça

Junior Viana

23/06 – Sexta

Moleca 100 vergonha

Leo Magalhães

Toca do vale

24/06 – Sábado

José Algusto

Encantus

Forro maior

25/06 – Domingo

Caninana

Jonas esticado

Ciel Rodrigues

 

São João de Araripina

Realização: Governo Municipal, Secretaria de Cultura, Juventude e Turismo

Aliados de Temer aguardam para decidir debandada

Aliados do presidente Michel Temer aguardam os desdobramentos da crise política na próxima semana para decidir se permanecem ou não na base de sustentação do governo.

Parlamentares que dão sustentação ao Palácio do Planalto ouvidos pela reportagem disseram que o pronunciamento feito por Temer neste sábado (20) foi bom ao mostrar fragilidades nas acusações contra o peemedebista.

Para eles, Temer deu discurso para a base aliada contestar nos plenários da Câmara e do Senado a afirmação de que a Procuradoria-Geral da República vê indícios dos crimes de obstrução de Justiça, corrupção passiva e organização criminosana conduta de Temer narrada em delação pelos irmãos Batista, da JBS.

No entanto, estes mesmos parlamentares dizem, sob reserva, que, se surgirem fatos novos contra o presidente na próxima semana, pode haver uma debandada da base aliada.Neste sábado, o PSB, que comanda o Ministério de Minas e Energia, pediu a renúncia de Temer e disse que, se isso não ocorrer, defende o impeachment do presidente. A legenda —sétima maior da Câmara, com 35 deputados— não se manifestou sobre a possibilidade de entregar os cargos que seus integrantes ocupam no governo.

O PPS —16ª bancada da Câmara, com nove deputados— abriu mão do Ministério da Cultura, mas manteve-se no Ministério da Defesa e afirmou que continua na base do governo.

Também envolvido na crise atual, o PSDB —terceira bancada, com 47 deputados— está dividido, mas deve definir sobre o desembarque até terça-feira (23).

O Podemos -ex-PTN, 13ª bancada, com 13 deputados- anunciou ter deixando a base e assumido posição de “independência”.

Segundo integrantes do governo, o Podemos continuará votando com o Planalto, mas quer o título de “independente” para receber os senadores Álvaro Dias (PV-PR) e Romário (PSB-RJ).

Daqui a pouco vamos divulgar oficialmente a programação do São João de Araripina, aguardem…

Daqui a pouco acontecerá o evento de lançamento do São João de Araripina, no SESC LER. O evento começa às 19h30. Estaremos cumprindo tudo e vamos trazer em primeira mão a programação oficial do São João de Araripina, 2017.

Já estamos com a programação em mãos, e podemos afirmar,  vocês vão gostar, será uma grande festa…

 

Temer ataca Joesley e diz que vai pedir arquivamento de inquérito

O presidente Michel Temer (PMDB) atacou duramente neste sábado, em pronunciamento oficial na TV, as acusações feitas pelo empresário Joesley Batista, da JBS, desqualificou a conversa gravada pelo empresário em reunião com ele no Palácio do Jaburu, afirmou que vai pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) o arquivamento do inquérito contra ele e reafirmou que vai continuar no cargo.

Em fala de pouco mais de 12 minutos, ele citou evidências de que o áudio da reunião dele com Joesley teve mais de 50 edições. “Essa gravação clandestina foi manipulada e adulterada com objetivos nitidamente subterrâneos e, incluído no inquérito sem a devida e adequada averiguação, levou muitas pessoas ao engano induzido e trouxe grave crise ao Brasil”, afirmou em pronunciamento no Palácio do Planalto.

Ele disse que, em razão das dúvidas sobre a autenticidade das gravações, ele vai entrar com um pedido no STF para arquivamento do inquérito aberto contra ele pelo ministro Edson Fachin após pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que viu evidências de três crimes por Temer: obstrução da Justiça, corrupção passiva e organização criminosa. “Por isso, no dia de hoje, estamos entrando com petição no colendo STF para suspender o inquérito proposto até que seja verificada em definitivo a autenticidade da gravação clandestina”, disse.

No pronunciamento, ele também criticou fortemente Joesley. “O autor do grampo está livre e solto passeando pelas ruas de Nova York”, disse. “Não passou nem um dia na cadeia, não foi preso, não foi julgado e não foi punido. E, pelo jeito, não será”, disse. Ele também atacou o empresário por ter comprado grande quantidade de dólares às vésperas da divulgação de sua delação. “Ele especulou contra a moeda nacional”, afirmou.

De acordo com Temer, o que Joesley fala sobre ele em sua delação premiada não está no áudio entregue ao Ministério Público Federal.  “O que ele fala em seu depoimento não está no áudio. E que está no áudio mostra que ele estava insatisfeito com o meu governo. Essa é a prova cabal de que meu governo não estava aberto a ele”, afirma o presidente sobre as reclamações do empresário em relação a demandas em órgãos do governo.

Temer diz, ainda, que “no caso central de sua delação [o pagamento de propina para agilizar demanda no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica)], fica patente o fracasso de sua ação”. “O Cade não decidiu a questão suscitada por ele. O governo não atendeu aos seus pedidos”, disse.

Para o presidente, “não se sustenta a acusação de corrupção passiva”. Na delação, Joesley afirma que pagou propina ao deputado federal Rodrigo Loures (PMDB-PR), indicado por Temer para ser seu interlocutor nas demandas do empresário junto ao governo. A propina seria para destravar uma questão no Cade envolvendo uma termelétrica do grupo JBS em Cuiabá.

Segundo Temer, não só o Cade, mas outros órgãos do governo, como o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico) e a Petrobras, fecharam as portas para quem obtinha facilidades anteriormente. “Estamos acabando com os velhos tempos da facilidade aos oportunistas e isso está incomodando muito”, afirmou o presidente. “Estão querendo me tirar do governo para voltar aos velhos tempos em que faziam tudo o que queriam.”

Visita noturna

Sobre ter recebido o empresário à noite (por volta das 22h30), em sua residência oficial, o Palácio do Jaburu, sem que a reunião constasse de sua agenda, ele disse que não há irregularidade alguma. “Eu o ouvi à noite, assim como ouvi vários empresários, intelectuais e outros setores no Palácio do Planalto, no Alvorada, no Jaburu ou em São Paulo. Trabalho rotineiramente até depois da meia-noite”, disse.

Em relação à acusação de que teria assentido e dado aval à compra do silêncio, por meio de propina, do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ele disse que “não existe isso na gravação, mesmo tendo sido ela adulterada”. “E não existe, porque nunca comprei o silêncio de ninguém”, disse. “Nunca fiz nada para a obstrução do Judiciário. Ou seja, houve falso testemunho à Justiça.”

Sobre o fato de o empresário ter dito que havia conseguido ajuda de um procurador e de dois juízes federais para suas causas e ele ter respondido “ótimo, ótimo”, Temer afirma que achou que era bravata de Joesley. “Não acreditei na narrativa do empresário de que ele tinha comprado juiz etc. Ele é um conhecido falastrão, exagerado. Depois, disse [na delação] que tinha inventado essa história. Ou seja, era fanfarronice”, afirmou.

Economia

Para ele, o escândalo atrapalhou a retomada da economia que o seu governo vinha promovendo. “O Brasil, que tinha saído da mais grave crise econômica de sua história, vive agora dias de incerteza”, disse, citando a recuperação do PIB, o fim da recessão e a queda da taxa de juros, além das reformas trabalhista e da Previdência que vem tentando aprovar no Congresso. “Eles [empresários da JBS] tentam macular, não só a reputação moral do presidente da República, mas tentam invalidar esse país”, afirmou.

No final, voltou a dizer que o havia dito no primeiro pronunciamento após o escândalo, na quinta-feira: não vai renunciar ao cargo. “O Brasil não sairá dos trilhos, vou continuar à frente do país’, disse.

Vídeo: confira na íntegra o pronunciamento de Michel Temer

Romário Dias: “Deveríamos antecipar as eleições”

O agravamento da crise política nos últimos dias levou o deputado estadual Romário Dias (PSD) a defender a realização de eleições diretas no País. E, sobre o Congresso, Dias foi enfático: “O Congresso Nacional, hoje, envergonha toda a Nação brasileira”.

“Na minha opinião pessoal, deveríamos antecipar as eleições (diretas); realizar uma eleição geral para que a gente procure o rumo”, sentenciou o deputado, que presidiu a Reunião Plenária nesta quinta-feira (18). Ainda de acordo com Dias, é imprescindível que seja feita a reforma política no Brasil.

“Vivemos uma grave crise política e, antes de fazer qualquer reforma econômica ou da Previdência, é preciso que façamos uma reforma política. Eu, com toda sinceridade, não vejo mais um congresso nacional com poder para fazer nenhum tipo de reforma”, concluiu.

J&F recusa acordo de leniência de R$ 11 bilhões com MPF

O grupo J&F não aceitou os termos do acordo de leniência proposto pelo Ministério Público Federal (MPF). O negócio previa o pagamento de uma multa de R$ 11,17 bilhões em dez anos, o que corresponde a quase 6% do faturamento do grupo. A proposta venceu ontem às 23h59 e, segundo o MPF, não houve acordo. Agora pode ser aberta uma nova rodada de negociações em outras bases e em termos piores do que a proposta expirada. Se não fechar acordo, as investigações seguem normalmente e, em caso de ações judiciais, a empresa arcará com as consequências.

Segundo informou o MPF, os representantes da J&F haviam oferecido pagar somente R$ 1 bilhão, que equivaleria a 0,51% do faturamento. Às 21 horas de ontem, a empresa fez uma nova proposta, de R$ 1,4 bilhão – e os procuradores recusaram. Fontes próximas à empresa entendem que a ideia seria fechar pela metade do valor proposto pelo MPF.

O acordo de leniência corre em paralelo com o de delação. Se os termos propostos pelo MPF tivessem sido aceitos, seria a maior multa da história mundial paga por uma empresa por atos de corrupção a apenas um governo. O maior acordo foi o do grupo Odebrecht, que incluiu a Braskem, fechado no ano passado. A Odebrecht se comprometeu a pagar cerca de R$ 8 bilhões, em 23 anos, somente para o governo brasileiro. Outros R$ 3,5 bilhões foram destinados a acordos com autoridades americanas e suíças, além de US$ 185 milhões fechados com a República Dominicana.

O grupo J&F também terá de negociar uma multa a ser paga para o Departamento de Justiça (DoJ) dos EUA, segundo advogados especializados no assunto. A empresa já está em tratativas com o DoJ. Pela lei anticorrupção americana, pessoas ou empresas que têm qualquer tipo de negócio nos EUA estão sujeitas à lei. A JBS tem forte atuação no país, que representa cerca de metade do faturamento no processamento de carnes.

Em carta aberta enviada ontem à imprensa pelo presidente da J&F Investimentos, Joesley Batista, o empresário assumiu os erros, mas fez questão de afirmar que os negócios fora do Brasil seguiram preceitos éticos. Segundo alguns advogados, é uma forma de tentar evitar qualquer tipo de investigação em outros países onde atua. A JBS tem unidades espalhadas pelo mundo.

A estratégia do grupo J&F foi feita tomando como base a experiência vivida pela Odebrecht. Segundo fontes próximas à empresa, seria um exemplo a não ser seguido. Porém, mais do que o acordo de leniência da Odebrecht, os executivos do grupo J&F estudaram as delações dos 77 executivos da empresa. Joesley não queria parar na prisão como Marcelo Odebrecht.

A estratégia foi traçada por Joesley e pelo vice-presidente Jurídico, Francisco de Assis. Eles conseguiram, assim, a imunidade dos delatores, continuar atuando nas empresas e o pagamento de uma multa de R$ 250 milhões.

Nas primeiras investigações que vieram a público, no entanto, o grupo J&F parecia inicialmente seguir o que fez a Odebrecht: negar. Com a operação Greenfield, a empresa chegou a fazer uma investigação interna na Eldorado Celulose, conduzida pelo próprio Joesley. Os resultados apresentados pela Veirano Advogados diziam que não se poderia afirmar que havia irregularidades, nem mesmo nos contratos que a Eldorado tinha com Lúcio Funaro, acusado de cobrar propina para liberar empréstimo no FI-FGTS.

O resultado foi contestado pelo conselheiro da Funcef, fundo de pensão da Caixa Econômica Federal, na empresa, Max Pantoja, que entregou as suspeitas ao MPF. Joesley chegou a, publicamente, colocar suspeitas sobre a atitude de Pantoja. Agora, na delação, o próprio Joesley relata que os contratos com Funaro pagos pela Eldorado eram referentes a notas frias.

(Com Estadão Conteúdo)

Nota Oficial – Bancada de Oposição

A Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), assim como todos os pernambucanos, acompanharam perplexos os desdobramentos das delações dos executivos do grupo JBS, por envolver, nominalmente, o governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio.

Em um dos trechos da gravação, o diretor da JBS Ricardo Saud afirma que destinou R$ 15 milhões para as campanhas de Eduardo Campos à Presidência da República e de Paulo Câmara ao Governo do Estado. Saud afirmou ainda que, após a morte do ex-governador, foi procurado por Paulo e Geraldo para que honrasse os compromissos acertados, como mostra o anexo 37, da delação, quando revela que:

“Geraldo Júlio, à época prefeito do Recife, e o então candidato a governador Paulo Câmara, fizeram reunião com Ricardo Saud e JB (Joesley Batista) na sede da J&F, na qual pediram que os pagamentos não fossem interrompidos e que JB ajudasse a eleger Paulo Câmara…” 

Ainda no mesmo anexo, Saud revela que fora feitos pagamentos em espécie da ordem de:

R$ 1 milhão entregues por André Gustavo Vieira da Silva em Recife/PE para Paulo Câmara.”

Não é a primeira vez que o PSB e seus quadros políticos são citados em delações no âmbito da Lava-Jato. Nos últimos meses estamos acompanhando delações, como dos executivos da Odebrecht, além de sete operações da Polícia Federal nos últimos três anos, que têm revelado a existência de um esquema de propinas para financiamento de campanhas do partido no Estado. Diante das novas denúncias agora tornadas públicas, a Bancada de Oposição cobra explicações, tanto do governador quanto do prefeito, sobre as denúncias e a negociação agora reveladas. A sociedade pernambucana quer saber: Essa visita à sede da J&F realmente aconteceu?

O PSB nacional cobrou, oficialmente, a saída do presidente Temer do cargo. Resta saber se vão adotar o mesmo critério em relação ao governador Paulo Câmara e ao prefeito Geraldo Júlio. Os pernambucanos merecem uma resposta, além das evasivas notas já publicadas.

 

Bancada de Oposição de Pernambuco

Homens são presos com carro roubado, dinamites e munições de uso restrito em Salgueiro, PE

Dois homens foram presos, ontem sexta-feira (19), com um carro roubado, munição de uso restrito e materiais utilizados para explodir carros-fortes. As prisões ocorreram nos bairros Castelinho e Cohab, em Salgueiro, no Sertão de Pernambuco.

A Polícia Militar (PM) chegou até os suspeitos depois de receber a informação de que os veículos utilizados em assaltos a carros-forte foram localizados na Rua José Elias Gomes, no bairro Cohab.

Além dos dois carros, a PM encontrou 27 bananas de dinamite, 40 bananas de dinamite que foram utilizadas em quatro artefatos prontos para detonação, três canudos de espoleta, três cordéis detonadores, uma toca ninja, dois pares de luvas de pano, um extintor, um carregador de fuzil calibre 7,62, oito cartuchos de calibre 7,62, uma alavanca e celulares.

Durante a operação, um detento do presídio de Salgueiro foi apontado como chefe da quadrilha. Os presos foram conduzidos para a Delegacia de Polícia Civil local, junto com os materiais apreendidos, onde foram autuados em flagrante.

Programação oficial do São João de Araripina 2017

Como tínhamos prometidos, aí está a programação oficial do São João de Araripina 2017:

O maior e melhor São João do interior de Pernambuco. De 19 a 25 de Junho, no Parque 3 Vaqueiros, em Araripina

Tá do jeitinho que a gente gosta! 

19/06  – Segunda 

Aviões do Forró

Flávio Leandro

20/06  – Terça

Alcymar monteiro

Forró do muido

Alceu Valença

21/06 – Quarta

Israel Novaes

Dorgival Dantas

22/06 – Quinta

Matheus e kauan

Malla 100 Alça

Junior Viana

23/06 – Sexta

Moleca 100 vergonha

Leo Magalhães

Toca do vale

24/06 – Sábado

José Algusto

Encantus

Forro maior

25/06 – Domingo

Caninana

Jonas esticado

Ciel Rodrigues

 

São João de Araripina

Realização: Governo Municipal, Secretaria de Cultura, Juventude e Turismo

Joaquim Barbosa diz que fatos são gravíssimos e que Temer precisa renunciar

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, diz que os brasileiros devem se mobilizar e pedir a renúncia do presidente Michel Temer (PMDB). O peemedebista foi gravado pelo dono da JBS, Joesley Batista, apoiando a compra do silêncio de Eduardo Cunha (PMDB) na prisão.

Em seu perfil na rede social Twitter, o ex-ministro disse que somente a notícia extraída de um inquérito criminal e veiculada há poucas semanas de que Temer usou o Palácio do Jaburu para pedir propina a um empresário, “seria um motivo forte o bastante para se desencadear um clamor pela sua renúncia”.

“Nada aconteceu, não é mesmo? Líderes políticos, empresariais, parte da mídia se incumbiram de minimizar a gravidade dos fatos. Agora vieram a público as estarrecedoras revelações do Sr. Joesley Batista sobre o mesmo personagem, Temer. São fatos gravíssimos”, classificou.

“Não há outra saída: os brasileiros devem se mobilizar, ir para as ruas e reivindicar com força:  a renúncia imediata de Michel Temer”, aconselhou.