Preso do regime semiaberto é assassinado a tiros em Petrolina

Um homem foi assassinado na manhã deste sábado (10) em Petrolina, Sertão de Pernambuco. A vítima, identificada como Wellington Pereira Ayres, estava passando de carro pela rotatória da Avenida Cardoso de Sá, quando foi atingido por tiros. Wellington perdeu o controle do veículo e bateu em um prédio que fica no local.

De acordo com a Polícia, Wellington Pereira Ayres tinha saído da Penitenciária Doutor Edvaldo Brito, em Petrolina, onde cumpria pena pelo crime de estelionato. Ainda segundo a polícia, desde maio ele estava no regime semiaberto, utilizando tornozeleira eletrônica.

O crime teria sido cometido por homens em uma moto. Até o momento, ninguém foi preso. O corpo da vítima foi encaminhado para o IML de Petrolina.

G1/Petrolina

Deltan: Moro mudará ‘engrenagens do sistema’

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, disse que Sergio Moro será mais importante em Brasília do que na capital paranaense. Em Curitiba, disse Deltan, Moro lutou contra as “engrenagens” de um sistema ajustado “para não funcionar contra corruptos poderosos.” Acredita que, em Brasília, o juiz irá “mudar as engrenagens desse sistema.”

O chefe da Lava Jato fez uma analogia entre a investigação e o tratamento de uma enfermidade. “Nós nos sentimos como um médico, que identificou uma doença grave e importante no paciente e recomendou tratamento. Mas o tratamento nunca foi aplicado. Ano após ano, a gente refaz o diagnóstico e a recomendação de tratamento. E o tratamento nunca veio.”

Deltan recordou as dez medidas anticorrupção enviadas ao Congresso como projeto de iniciativa popular. Lembrou o pacote com 70 novas medidas elaboradas sob a coordenação da Fundação Getúlio Vargas e da Transparência Internacional. ”Nada disso jamais foi convertido em lei”, lamentou. Moro já informou que planeja retirar desse embrulho a matéria-prima para a elaboração dos projetos que enviará ao Congresso no início de 2019.

As declarações de Deltan foram veiculadas no mesmo dia em que o corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins, requisitou explicações a Sergio Moro. O juiz terá 15 dias para se defender da acusação feita por deputados petistas de que sua transferência para a equipe ministerial de Jair Bolsonaro seria uma decorrência direta de sua atuação nos processos contra Lula.

Moro já tratou do tema em sua primeira entrevista coletiva como ministro indicado. Disse que Lula foi condenado porque ”cometeu crime.” Recordou que sua sentença foi ratificada por três desembargadores do TRF-4. Realçou que o Supremo negou habeas corpus a Lula. “Não posso pautar a minha vida num álibi falso de perseguição política”, acrescentou.

Josias de Souza 

Menos direitos para “destravar” a economia

Para destravar a economia, será preciso optar pela redução de direitos trabalhistas, afirmou nesta sexta-feira, o presidente da República eleito, Jair Bolsonaro, em transmissão pelo Facebook. “O que queremos é destravar a economia. Esse é o caminho. Os empresários têm dito para mim que nós temos que decidir: ou todos os direitos e desemprego ou menos direitos e emprego”, afirmou.

Bolsonaro disse ainda que “o Brasil é um país dos direitos”, todos previstos na Constituição, e que não vai “tirar” esses direitos Em seguida, porém, acrescentou que está ouvindo o setor produtivo e que, para gerar vagas de trabalho, precisará atender à demanda dos empresários. “Nós não podemos salvar o Brasil quebrando o trabalhador”, disse Bolsonaro, ao comentar o projeto de elevar a alíquota previdenciária de 11% para 22%, que chamou de “absurdo”.

Disse ainda confirmar na equipe econômica que está formando, sob a liderança do economista Paulo Guedes, com quem se reuniu nesta sexta-feira, e que possui “carta branca” para trabalhar. “O Paulo Guedes deixou bem claro que quer abrir o mercado, mas que, para isso, tem que diminuir os impostos, senão quebra os empresários brasileiros. Eu confio nele”, acrescentou.

Bolsonaro citou ainda o general Augusto Heleno, que ficará com o Gabinete de Segurança Institucional, em vez do Ministério da Defesa. “Fiquei feliz com a ideia do general ao meu lado para me aconselhar”, disse. (AE).

Estadão Conteúdo

Resultados difusos

A escolha da deputada federal Teresa Cristina (DEM/MS) para o Ministério da Agricultura foi, até agora, a mais significativa dentro dos critérios adotados por Jair Bolsonaro (PSL) para formar sua equipe. A opção não foi por ser uma mulher e muito menos por ela ser do DEM. O que pesou foi o fato de Teresa Cristina ser uma autêntica representante do agronegócio, setor que sustenta o PIB nacional, que tem a bancada mais organizada do Congresso e da qual Bolsonaro não abre mão de seu apoio.

Mas a alternativa  Teresa Cristina, junto com Onix Lorenzoni, também do DEM, para a chefia da Casa Civil, praticamente enterrou as últimas esperanças de o pernambucano Mendonça Filho (DEM), ser convocado para Educação.

E assim, o estado de Pernambuco continua zerado no ministério. Agora, seja qual for o formato das composições, está provado que, numericamente, o peso dos ministérios para os estados favorecidos é muito relativo. No Governo Temer, Pernambuco teve quatro ministros, mas os frutos ficaram muito difusos. Tão dispersos que, dois deles, Mendonça Filho (DEM), ex-ministro da Educação, e Bruno Araújo (PSDB) ex-ministro das Cidades, sequer foram eleitos senadores.

Bem, há avaliações de que um estado só sai ganhando com mais de um representante na Esplanada dos Ministérios, quando há uma disputa entre os ministros para ver quem faz mais.

No Governo Lula, Humberto Costa (Saúde) e Eduardo Campos (Ciência e Tecnologia) contaram com a boa vontade do ex-presidente petista em relação ao estado, enquanto Temer manteve um distanciamento. E pode ser que o Governo Bolsonaro considere o deputado federal Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, partido do presidente eleito, o bastante para Pernambuco.

Após anos abandonada por gestão anterior, obra de creche em Lagoa do Barro segue em ritmo acelerado

A creche do distrito de Lagoa do Barro – que no começo de sua construção foi objeto de investigação da Polícia Federal por desvio de recursos na gestão anterior – está com as obras bem avançadas. Segundo a Secretaria de Educação, a creche deverá ser entregue no início do próximo ano.

O equipamento tem capacidade para 120 crianças e dispõe de banheiros com acessibilidade, sala de professores, refeitório, pátio coberto, parquinho, sala de repouso, fraldário, depósito para lixo orgânico e reciclável e muito mais.

O prefeito Raimundo Pimentel fez uma vistoria na obra ao lado de Evilásio Mateus – presidente da Câmara Municipal e representante do distrito. Durante a visita, Pimentel disse que a creche é um sonho da população e que muitos nem tinham mais esperança que fosse concluída por ter sido tanto tempo abandonada pela gestão passada.

“Esse equipamento já poderia estar recebendo muitas crianças, mas infelizmente a obra foi objeto de investigação por desvio de verbas federais. A comunidade de Lagoa do Barro nem acreditava mais que essa obra seria retomada, mas assumimos a prefeitura, destravamos a obra e logo, logo vamos inaugurar. Os pais e mães desse querido distrito vão se orgulhar em deixar seus filhos num local organizado e com alimentação escolar premiada pelo Ministério da Educação”, disse Pimentel.

SECOM/Foto: Bruno Rostand 

Cerveja de mandioca beneficia agricultores de Araripina

ARARIPINA (PE) – Vilmar da Silva Carvalho, 58 anos, anda com firmeza pela plantação de mandioca de 80 hectares que mantém na Serra da Torre, no município de Araripina, a 680 km do Recife. Com agilidade, o agricultor arranca da terra a raiz que é motivo de alegria. “Costumo dizer que eu tenho três mães. A do Céu, que é Nossa Senhora; a da terra, que me trouxe ao mundo e esta daqui, que deu minha riqueza, é a mãedioca”, sorri.

A satisfação com o trocadilho tem explicação. Seu Vilmar comemora a boa safra possibilitada pelo inverno, que aumentou a produção em torno de 30%. Celebra também o novo mercado que se abriu a partir deste ano. A família de seu Vilmar, junto com outras cinco da região do Araripe, foi escolhida pela cervejaria Ambev para fornecer a mandioca que compõe a receita de sua nova bebida: a cerveja Nossa. Lançada há dois meses, ela é produzida em Itapissuma, Região Metropolitana do Recife, com receita exclusiva que leva amido em sua composição. O amido vem das mandiocas plantadas por pequenos agricultores do Araripe.

“Antes, toda nossa produção de mandioca era para fazer farinha ou goma de tapioca. Mas produzir farinha é caro porque gasta muita energia elétrica e água”, diz Gilmar Carvalho, filho de seu Vilmar. Ele diz que a família acabava na mão do atravessador, que pagava “o quanto queria” pela raiz. “Abaixo de R$ 150 a tonelada não compensa nem produzir”, diz ele, explicando que o preço do produto varia muito ao longo do ano, podendo cair muito ou passar dos R$ 350 a tonelada, dependendo da oferta e da procura. Com a entrada de um comprador de grande porte, como a Ambev, os produtores têm o preço garantido para aquela safra, o que acaba gerando lucros maiores.

MANDIOCA

Quem também fez as contas foi Silvano Moraes Coelho. Filho e neto de agricultores, ele havia escolhido outro destino. Lecionou geografia por dez anos em escolas públicas de Araripina. Mas há dois anos, largou a sala de aula e decidiu mapear as possibilidades da Serra do Inácio, já quase na divisa com o Piauí. A altitude de 860 metros acima do nível do mar é boa para a mandioca, ensina Silvano, mostrando que não esqueceu as lições de geografia. “Comecei a cuidar da roça de 50 hectares de mandioca junto com meus irmãos e primos. Em junho, vendi 150 toneladas para a Ambev. Agregou valor e deu moral ao nosso produto”, diz Silvano, que já planeja ampliar a área plantada para 100 ou 120 hectares no próximo ano, caso o inverno seja tão bom quanto foi em 2018.

O engenheiro agrônomo da Ambev, Vitor Pistoia, explica que desde o início, a ideia era ter um novo produto que tivesse a ver com a cultura local. “Há dois anos, pensamos em produzir uma cerveja que fosse feita em Pernambuco, para ser vendida apenas no Estado e com um viés social.” Vitor, que é gaúcho, visitou várias vezes a região do Araripe em busca dessas famílias. “Usamos como critério para a seleção dos agricultores os que mantêm boas práticas de manejo do solo, preservação do meio ambiente e sintonia com o compliance da Ambev”, diz. Apesar de não revelar números de produção ou mesmo de investimentos, Vitor Pistoia garante que o projeto ainda está em fase inicial e tem bastante espaço para crescer. Até o fim do ano, a expectativa é de que a cerveja pernambucana esteja disponível em 10 mil pontos de venda no Estado.

A chegada da Ambev em Araripina fez a roda da economia girar. Uma fábrica de fécula de mandioca foi contratada pela Ambev para produzir o amido usado na cerveja. A empresa estava praticamente parada desde a sua inauguração, há seis anos. Uma seca que durou todo esse período fez a produção cair, inviabilizando o investimento de R$ 30 milhões. “Hoje estamos processando 200 toneladas de mandioca por dia, mas temos capacidade para processar até 600 toneladas”, afirma Cristiano Coelho, gerente da Amido Maxx, que emprega 25 pessoas e compra a raiz por R$ 250 a tonelada.

Edilson Vieira Repórter de Economia do JC / Foto: Rafael Martins

Empresário morre em acidente na rodovia Asa Branca entre Exu (PE) e Crato (CE)

O Setor empresarial de Juazeiro do Norte está de luto com a morte do empresário Arnaldo Veículo. Ele morreu em um acidente envolvendo o veículo ao qual ele estava um Fiat Strada e uma Scania. A fatalidade aconteceu no final da tarde desta quinta-feira (8), por volta das 17h30, na Rodovia Asa Branca, via que liga os municípios de Exu (PE) e Crato (CE).

Arnaldo Cardoso Lobo, tinha 54 anos de idade, popularmente Arnaldo Veículo, era empresário do ramo de automóveis bastante conceituado na Região do Cariri cearence.

Segundo as informações do setor policial que atendeu a ocorrência, o acidente com vítima fatal aconteceu quando Arnaldo Veículo estava na Rodovia Asa Branca, ao volante do Fiat Strada bateu de forma violenta contra a Scania, o impacto da colisão foi tão violenta que nem o airbag o protegeu, ainda segundo as informações iniciais, Arnaldo ao volante do Fiat no momento da colisão não fazia uso do cinto de segurança, sofreu uma forte pancada na cabeça e veio a óbito no local do acidente, o motorista da Scania permaneceu no local.

Depois do acidente em que Arnaldo Veículos faleceu no local, os órgãos de Segurança Pública foram acionados e adotaram as medidas cabíveis na organização do trânsito na Rodovia Asa Branca, o corpo foi removido das ferragens do Fiat e trasladado chegando a Juazeiro do Norte nesta sexta-feira (9), por volta das 04h30 da madrugada.

O corpo do empresário Arnaldo Veículos está sendo velado no Centro de Velório Anjo da Guarda em Juazeiro do Norte, o sepultamento será no final da tarde de hoje (9).

Fonte: Diário do Cariri / Foto: reprodução

Começa a construção do IML de Ouricuri; previsão é funcionar em Janeiro de 2019

A Região do Araripe vem conquistando importantes parcerias para somar na segurança pública. Esse ano Ouricuri recebeu o complexo da Policia Científica e a Delegacia de Reprenssão e Combate ao Narcotráfico e já está andamento a construção do Instituto de Medicina legal (IML), também em parceria do Governo do Estado com a Prefeitura Municipal.

Em entrevista ao Jornal da Liberal, o chefe da Polícia Científica Dr. Thiago Magalhães, afirmou na tarde dessa quinta-feira (08), que já teve inicio a obra do IML na antiga maternidade de Dr. Borges em Ouricuri, e que em Janeiro de 2019 os serviços de exames cadavéricos serão realizados, atendendo toda Região do Araripe, amenizando assim o sofrimento das famílias que perdem parentes e tem que aguardar esse procedimento ser realizado em Petrolina no vale do São Francisco.

Thiago enfatiza a importância do IML na região “A chegada do instituto de Medicina Legal em Ouricuri vai nos proporcionar atender toda região com mais rapidez e praticidade, já estamos preparando tudo para que em janeiro do próximo ano comece o funcionamento. Já dispomos de uma câmara fria e de um veículo para transportar os corpos, aguardamos agora a adequação da estrutura do prédio para o IML entrar em atividade”, afirmou o chefe da Polícia Científica.

Portal do Araripe / Foto: reprodução

PF prende vice-governador de Minas

O vice-governador de Minas Gerais, Antonio Andrade (MDB), também foi preso há pouco pela Operação Capitu da Polícia Federal, que mira um suposto esquema de corrupção que atuava na Câmara dos Deputados e no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

A PF continua com buscas no gabinete do vice-governador de MG, que também chefiou a Agricultura de março de 2013 a março de 2014. Foram presos, segundo dados da PF, Antonio Andrade, vice-governador de Minas e ministro da Agricultura; Joesley Batista, executivo da JBS; Ricardo Saud, executivo da JBS; Demilton de Castro, executivo da JBS; João Magalhães, deputado estadual pelo MDB de MG; Neri Geller, deputado eleito pelo PP de MT.

PF prende Joesley Batista e Ricardo Saud

or ordem do Tribunal Regional da 1ª Região, a Polícia Federal prendeu nesta manhã os empresários Joesley Batista e Ricardo Saud. Também foram presos o deputado estadual de Minas Gerais João Magalhães (MDB) e o deputado federal eleito Neri Geller (PP-MT), que foi ministro da Agricultura durante o mandato da presidente Dilma Rousseff. A Polícia federal cumpre 63 mandados de busca e 19 de prisão no Distrito Federal e em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Mato Grosso.

Segundo as investigações, havia um esquema de arrecadação de propina dentro do Ministério da Agricultura para beneficiar políticos do MDB, que recebiam dinheiro da JBS, que pertencem aos irmãos Joesley e Wesley Batista, em troca de medidas para beneficiar as empresas do grupo. O emresário Joesley Batista havia sido solto em março deste ano.