“Luz, ciência e vida”. Por Itami Campos, vale a pena ler!

E Deus: “Exista a luz”. E a
luz existiu. E Deus viu que a luz era boa; e separou a luz das trevas. E chamou
à luz de dia, e às trevas de noite. E fez-se a tarde e amanhã. (e foi) o
primeiro dia. (Gênesis, 1-3, 4, 5). Tem-se com a luz o começo de tudo; do
Universo, da vida.
Essa é a cosmologia cristão
que, neste aspecto, não se apresenta diferente da cosmologia cientifica. Esta tem
na Teoria do Big Bang, com a explosão (luz), a origem do universo. Vale acrescentar
a ficção cientifica. Em um curto conto. A última chamada, Isac Asimove trabalha
a possibilidade de reverter a entropia e recriar o Universo. Assim quando as galáxias
e estrelas se apagaram, ficara o universo vazio, o caos. Então, computador “AC
Cósmico” que concentrará toda a energia, reage ao caos e diz: “Faça-se a luz”.
A ONU ao estabelecer 2015
como Ano Internacional da Luz quis mostrar importância que tem para todos nós,
para a existência do Universo. Chamara a atenção para uma coisa simples do
nosso dia a dia, mas que merece atenção especial. A proclamação da Assembleia
Geral das Nações unidas deverá ter desdobramento em diferentes campos, na ciência,
na tecnologia, na natureza pelas inúmeras possibilidades de utilização e
aplicação que o fenômeno da luz permite. As aplicações da luz nos mais
diferentes campos do saber e da prática tem provocado mudanças em diferentes
setores da vida humana.
Daí, merecer destaque o
Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) ter estabelecido, nesta
segunda quinzena de Outubro, 12ª Semana Nacional de Ciências e Tecnologia,
tendo como temática luz, Ciência e Vida, desdobrando nacionalmente a decisão
ONU e, com isso, estimulando a pesquisa e a difusão do conhecimento sobre a
luz.
“A civilização não existiria
sem a luz” afirmou o cientista Ahmed Zewail. Veja-se o significado da luz do
sol para vida da terra, para as plantas com 
a fotossíntese e os desdobramento desse fenômeno para a natureza e para
a vida, pois dessa reação química tem-se a produção da biomassa, além da
liberação do oxigênio. Também decorre da ação da luz do sol sobre a superfície
terrestre a existência dos ventos, a evaporação da água e o ciclo da chuva.  
Na ciência, muito tem sido a
aplicação a parti de pesquisas com a luz. Na química, na física na biologia,
nas diferentes reações e fenômenos envolvendo a ótica e a tecnologia
decorrentes da aplicação da luz. O sol como fonte de energia, dos elementos que
compõem o ciclo do carbono, também as energias limpas, eólica, biomassa,
fotovoltaica. O estudo e as aplicações das ondas magnéticas e seus diferentes
desdobramentos. A tecnologia desenvolvida a parti do uso da fibra ótica
revolucionou as comunicações, destacando-se a internet.
A energia, em suas múltiplas
formas, apresenta-se como condição fundamental do desenvolvimento tecnológico e
social, não só vital para a ordem social. Tudo isso se desdobra como condição
de vida no dia a dia de toda a humanidade, também pela importância da luz, da
energia no cotidiano.
Lembro-me, criança, vendo a instalação
do gerador de energia na minha cidade natal Araripina (PE). Cidade iluminada,
deixando de usar candeeiros de querosene; tendo seu aparelho eletrodomésticos;
na cidade, o funcionamento de uma rádio, com alto-falantes, notícias músicas m
diferentes setores. Recordo a apreensão nossa, das crianças, na instalação da
sorveteria, do balcão frigorifico a produzindo picolés e sorvetes. Quanta diferença!
Coisas que hoje se apresentam banais. Que seria da vida na contemporaneidade
sem energia? O caos?
Então a semana de Ciência e
Tecnologia veio propor esse questionamento, trazer e elementos à discussão da ciência,
da pesquisa, considerando a importância da luz. E, no Brasil as instituições de
ensino superior desenvolvem atividades nesta direção. Abrem seus laboratórios,
mostram o resultado de suas pesquisas, procuram trazer diferentes setores da
sociedade para o campus. A pesquisa, a pós-graduação, a extensão são
apresentadas, também a produção cientifica é exposta. A movimentação em Goiás
tem sido razoável. Muitas instituições programaram atividades na Semana de
Ciência e Tecnologia – 12º Congresso de Pesquisa e Extensão da UFG, 1º
Congresso de Ciência e Tecnologia da PUC, 2º Congresso de Ensino, Pesquisa e
Extensão da UEG, atividades diversas nos Institutos Federais, Goiás e Goiana,
também em diversas outras instituições públicas e privadas. Como suporte, tem a
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg).
Por seu turno, a
UniEvangélica realiza seu 2º Congresso Internacional de Pesquisa, Ensino e
Extensão (Cipeex) que se estende para outras faculdades, mantidas pela AEE, em
Goianésia, Ceres, Rubiataba e Jaraguá, com previsão de 8 mil inscrições e a
realização de 458 atividades. Vendo a programação no Brasil e por esse Goiás
afora se tem claramente a percepção das possibilidades da ciência e da
tecnologia nacionais, também que há vida além da crise…
Enviado a nossa redação pelo
Professor Itami Campos.

Autor: Itami Campos,
araripinense, Filho do Maestro Álvaro Campos; doutor em Ciência Política,
Universidade de São Paulo; professor-titular da Universidade Federal de Goiás,
aposentado; Membro da Academia Goiana de Letras; Pró-Reitor de Pós-Graduação,
Pesquisa, Extensão do Centro Universitário de Anápolis – UniEvangélica.