“A Lava Jato não vai abalar meu governo”

Perto de completar dois
meses na Presidência da República, o presidente em exercício, Michel Temer, tem
trabalhado até dezessete horas por dia – preço que paga por liderar um governo
montado em prazo bíblico. Foram sete dias ao todo, segundo ele, um tempo exíguo
que não foi definido apenas pelas circunstâncias, mas também por um
distanciamento do poder que ele se autoimpôs às vésperas da votação do
impeachment na Câmara para evitar a pecha de conspirador – já que, como diz,
“o vice é sempre o principal suspeito”.

De segunda a sexta, o
peemedebista continua morando no Jaburu, o belo palácio que Oscar Niemeyer
projetou para parecer “uma casa de fazenda”, e que lembra mesmo uma,
mais ainda quando as galinhas que ciscam à beira do lago comparecem de surpresa
às reuniões que o presidente em exercício faz na sala envidraçada voltada para
o jardim. Lá, em entrevista a VEJA, ele defendeu as privatizações de tudo
“o que for possível”, revelou ser contrário à criação de normas para
“disciplinar” as delações premiadas, mas disse considerar
“discutível” a decisão que prevê a prisão imediata dos réus
condenados em segunda instância. Ao comentar a possibilidade de o deputado
Eduardo Cunha renunciar à presidência da Câmara, contou que o aconselhou a
“meditar a respeito”. Sobre ele próprio, afirmou ser “zero”
a chance de ter uma acusação comprovada na Lava-Jato. Reclamou da
“campanha” dos adversários e elogiou a mulher, Marcela, a quem julga
“preparadíssima” para entrar na vida pública. A estreia, disse, se
dará assim que ela se mudar para Brasília com o filho do casal, Michelzinho, o
que deve acontecer em agosto, se tudo correr como se prevê e o hoje presidente
em exercício se tornar o 37º presidente da República do Brasil. Leia um trecho
da entrevista: Leia mais>>>