Derrotados, Sarneys saem de cena no Maranhão

A eleição de 2018 no Maranhão foi um duro golpe à família Sarney. Além da derrota de Roseana (MDB) na disputa para o governo, Sarney Filho (PV), que por nove mandatos tem cadeira em Brasília como deputado federal, não foi eleito senador –os dois são filhos do ex-presidente José Sarney. Pela primeira vez em quase 50 anos o sobrenome Sarney não estará representado no Congresso Nacional.

Flávio Dino (PC do B) foi reeleito governador do Maranhão em primeiro turno, mas levou também à vitória seus dois candidatos ao Senado, os deputados federais Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS). Eles bateram não só Sarney Filho, mas também outro tradicional político do Estado, Edison Lobão (MDB), ex-governador e ex-ministro e que estava no Senado Federal desde 1995. Ele foi apoiado por Roseana Sarney

O patriarca José Sarney, talvez pressentindo problemas, mudou no início do ano seu domicílio eleitoral para o Maranhão para tentar ajudar nas articulações políticas – desde o início dos anos 1990 ele votava e se elegia senador pelo Amapá, mas não se aposentou em 2014. Sarney esteve como deputado federal nos anos 1950 e 1960, mas se consolidou definitivamente ao Congresso em 1971, quando se elegeu Senador pelo Maranhão depois de um mandato como Governador do Maranhão. Desde então, sempre teve alguém com sobrenome Sarney em Brasília, seja no Senado ou na Câmara.

O enfraquecimento do poder dos Sarney no Estado começou a ser detectado em 2006, quando Jackson Lago, do PDT, venceu Roseana Sarney. Ele colocava ali um fim de 40 anos de domínio dos Sarney no Estado, mas durou pouco. Em fevereiro de 2009 o TSE decidiu acatar pedido da coligação de Roseana, sobre irregularidades na campanha de Lago, e o cassou. Roseana assumiu pela terceira vez como governadora, e foi reeleita em 2010. Somente quatro anos depois que, definitivamente, o grupo saiu do poder no Estado quando Lobão Filho, apoiado pelos Sarney, perdeu para Flávio Dino.

A Justiça Eleitoral ainda pode ser o caminho para o retorno dos Sarney, já que o TRE-MA deve julgar nos próximos meses a inelegibilidade decretada em primeira instância de Flávio Dino, por suposto abuso de poder nas eleições municipais de 2016 para ajudar aliado na cidade de Coroatá, no interior.

Como prêmio de consolação o neto de José Sarney, Adriano, deve ganhar mais um mandato como deputado estadual. Ele passa, a partir de agora, a ser a esperança de que o sobrenome possa retomar espaço na política maranhense em breve. (Folha de S.Paulo)