Odebrecht: barrar Marcelo em negócios do grupo

Vários fatores fazem a Odebrecht confiarnos antídotos criados para frustrar eventuais investidas de seu ex-presidente, Marcelo, para voltar a interferir nos negócios do grupo. Ainda que agora cumpra pena em casa, a colaboração premiada o proíbe de retornar às empresas. Seu pai, Emilio, deixará a presidência do conselho de administração e anunciou que ninguém da família poderá ocupar o cargo. Além disso,monitores externos que vigiam a empreiteira estão de olho nele.

Contratados pelo Departamento de Justiça dos EUA e pelo Ministério Público Federal, os advogados que fiscalizam a Odebrecht têm dedicado atenção especial ao comportamento dos delatores e aos mecanismos criados para mantê-los longe do grupo.

Em dezembro, os monitores apresentaram a autoridades do Brasil e dos EUA seu primeiro relatório, com análises sobre riscos existentes e recomendações para aperfeiçoamento de controles internos. O próximo relatório sai em 2018.

Para quem conhece a Odebrecht por dentro, o que mais inibe Marcelo é a falta de amigos. Antigos aliados foram afastados do grupo. Muitos sentiram-se traídos por ele ao serem envolvidos nas negociações do acordo de delação.  (Panel – Daniela Lima – Folha de S.Paulo)  

Deixe uma resposta