1ª a passar de US$ 1 tri nos EUA, Apple vale mais que a Bolsa brasileira

A Apple se tornou nesta quinta-feira (2) a primeira empresa com ações na Bolsa de Nova York (EUA) a ultrapassar a marca de US$ 1 trilhão em valor de mercado. O feito foi atingido por volta das 12h50, quando as ações da empresa bateram US$ 207,05. Ao final do dia, as ações da fabricante do iPhone fecharam em alta de 2,92%, a US$ 207,39, valendo US$ 1,02 trilhão, segundo o site da Bolsa de Nova York.

A Apple sozinha vale mais do que todas as companhias com ações na Bolsa brasileira. Segundo cálculos da empresa de informações financeiras Economatica, a soma do valor de mercado de todas as empresas da nossa Bolsa é de US$ 847,6 bilhões. O valor de mercado de uma empresa é calculado ao multiplicar o valor de cada ação pelo total de papéis disponíveis no mercado.

Considerando os ganhos da semana passada, as ações da Apple acumulam valorização de 22,66% no ano. Apesar do feito, a Apple não foi a primeira empresa da história a valer US$ 1 trilhão no mundo. A marca foi atingida em 2007 pela PetroChina na Bolsa de Xangai (China). Outras gigantes de tecnologia também estão próximas de alcançar o feito da Apple. Amazon, Google e Microsoft já valem mais de US$ 800 bilhões cada.

Balanço agradou A Apple atingiu a marca histórica dois dias após a divulgação de seu balanço do segundo trimestre. O lucro da Apple subiu 32%, para US$ 11,5 bilhões, graças ao aumento do preço de venda do iPhone. A companhia projetou, ainda, receita de US$ 60 bilhões a US$ 62 bilhões para o seu quarto trimestre fiscal (terceiro trimestre no Brasil), superando os US$ 59,6 bilhões previstos por analistas.

11 anos de iPhone

O primeiro iPhone foi lançado em 9 de janeiro de 2007, pelo então presidente-executivo da companhia, Steve Jobs. Em mais de 11 anos, mais de 1 bilhão de modelos foram vendidos e o produto se tornou o carro-chefe do negócio. Para especialistas, o iPhone representou uma revolução na telefonia celular. Era um dispositivo retangular com tela sensível ao toque, sem teclado físico ou caneta stylus como os concorrentes da época, com conexão com a internet e câmera fotográfica.

A chave para o sucesso do produto, dizem especialistas, foi a combinação de todos os elementos, assim como a combinação de hardware e software, em um único aparelho muito simples de ser usado por qualquer pessoa. “Revolucionou a maneira com a qual interagimos com a informação, com a internet funcionando em um telefone celular.

Isso foi o que o iPhone conseguiu: levar um pequeno computador pessoal a todo o mundo, um terminal que permitia que você estivesse sempre conectado a diferentes serviços e a todo tipo de informação”, disse à agência Efe o analista da empresa de consultoria IDC, Francisco Jerónimo.

(Com agências internacionais)